Fobias tudo o que você precisa saber

As fobias são os distúrbios psíquicos mais comuns: têm uma prevalência de 11% e são mais frequentes (o dobro) nos homens do que nas mulheres. O início envolve o adulto jovem, embora algumas fobias comecem na infância, como o medo de sangue

As fobias de crianças são muito frequentes (por exemplo a do escuro, do relâmpago e dos animais), tanto que são consideradas quase normais se forem apreciadas entre os 2 e os 5 anos.

A fobia é o medo intenso, acentuado, irracional e persistente de um objeto ou situação que, em vez disso, é desprovido de um perigo objetivo real e, precisamente neste sentido, a fobia se distingue do medo, que é um sentimento que o indivíduo manifesta diante de uma ameaça real. 

Mesmo na fobia específica, como consequência do transtorno, a ansiedade antecipatória pode ser estabelecida com comportamentos de evitação relativa e, em casos particulares, a ansiedade pode chegar à extensão de um ataque de pânico, porque a exposição ao estímulo fóbico quase sempre causa uma resposta ansiosa imediata.

A Terapia online é recomendada para tratar qualquer tipo de fobia.

O número de fobias é quase ilimitado, pois qualquer objeto ou situação pode estar envolvido. As formas mais comuns são fobias por: animais, sangue, altura, lugares fechados, escuridão, morte, meios de locomoção, sujeira, doenças, agentes atmosféricos.

As pessoas afetadas, exceto as crianças, estão cientes de que o problema que os aflige é irracional ou excessivo; apesar disso, o transtorno compromete mais ou menos significativamente sua existência.
Para falar de uma fobia específica em adultos, as manifestações fóbicas devem ter duração mínima de seis meses.

A evitação desenvolvida por esses sujeitos torna-se duradoura e difícil de eliminar: isso depende do fato de que a redução da ansiedade, que é alcançada evitando objetos e situações temidas, leva a um reforço estável dessas estratégias justamente por serem eficazes na prevenção da ataque ansioso. 

Se evitar se tornar um hábito, o sujeito desenvolverá traços fóbicos reais.
As fobias geralmente sofrem uma clara redução após a infância; os casos que persistem no adulto são menos favoráveis ​​do ponto de vista da recuperação, pois ocorre em apenas 20% deles. 

Uma possível consequência da fobia é a interferência que ela provoca na vida profissional e nas relações, porque, principalmente nas formas mais graves, a pessoa deve modelar seu comportamento a partir das coisas ou situações a evitar, enfrentando limitações carreira e nos laços emocionais.

O tratamento desta doença baseia-se essencialmente na psicoterapia. Algumas vantagens podem ser obtidas com medicamentos, como b-bloqueadores (que reduzem a taquicardiasudorese e dispneia ) e alguns antidepressivos, mas esses são benefícios marginais. 

A técnica psicoterapêutica mais eficaz parece ser a de expor o sujeito “ao vivo” ou “na imaginação” aos objetos e situações temidos de maneira gradual ou massiva, a fim de permitir que ele aprenda a controlar a ansiedade e o medo.

Fobia social

Tem prevalência em torno de 8% e afeta principalmente mulheres, com início que ocorre mais freqüentemente entre 10 e 20 anos.

A fobia social consiste no medo de manifestar ansiedade, até um ataque de pânico, quando está junto de pessoas, geralmente desconhecidas, em situações potencialmente constrangedoras, desde simplesmente estar com outras pessoas, a eventos sociais em que o sujeito é solicitado um benefício. 

O medo desses indivíduos é o de manifestarem, em circunstâncias semelhantes, devido à ansiedade, comportamentos que determinem o julgamento negativo das pessoas presentes. 

Como consequência, estabelecem-se comportamentos de esquiva, ansiedade antecipatória ou desconforto, em conjunto com situações sociais ou atuações temidas, como ruborizar-se em público ou vivenciar uma notável sensação de tensão. 

Entre os quadros clínicos que caracterizam a fobia social estão: falar em público, ou seja, o chamado “medo do palco”, que parece ser a forma mais comum; falar com pessoas importantes; fazer exames; participar de festas ou almoços; resistir à pressão ou expressar desacordo com pessoas não pouco conhecidas, por exemplo vendedores; olhe os outros nos olhos; trabalhar ou escrever enquanto é observado.

O tratamento consiste em psicoterapia ou, ainda que de forma menos eficaz, uso de antidepressivos ou b-bloqueadores.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *