AAJ - Associação de Ajuda a Jovens

Eu odeio o meu trabalho! O que fazer nesse caso?

Se todos os dias você pensa: “não gosto do meu trabalho”, está farto do chefe, e o salário é inconsistente com suas funções, significa que é hora de mudar. 

Você odeia trabalho em tempo integral ou físico? Está pensando em mudar? Leia nosso artigo e faça a si mesmo algumas perguntas que o ajudarão a tomar a decisão final sobre deixar um emprego que você não gosta.

Mais uma segunda-feira chega e você pensa de novo: “odeio esse trabalho”? Antes de ler o resto deste artigo, faça algumas respirações profundas e lentas. Eles o ajudarão a organizar seus pensamentos e abordar o assunto do trabalho que você não gosta. 

Faça a si mesmo algumas perguntas e responda-as somente após um momento de reflexão. Você também pode anotá-los em um pedaço de papel para voltar sempre que precisar.

Talvez esteja na hora de você procurar um novo emprego, então é interessante descobrir o que colocar em objetivos no currículo.

Eu odeio trabalhar em tempo integral – quais são as razões para esse pensamento?

Escreva uma lista das coisas que mais o frustram e com as quais você não consegue lidar no trabalho. Se você está tendo dificuldade em colocar seus pensamentos no papel, aqui estão algumas dicas:

“A empresa com a qual lido é chata e não estou nada interessada nela”,

” Eu odeio o chefe. Ele é um chato e me trata injustamente”,

“É difícil para mim me dar bem com meus colegas”,

“Não tenho condições de desenvolvimento profissional”,

“Estou perturbado com o ambiente competitivo e a eterna corrida de ratos”,

“A responsabilidade que recai sobre mim me mantém estressado”,

“Eu não gosto do meu trabalho. Muitas vezes sou obrigado a ficar depois do expediente, não tenho tempo privado”,

“O salário é inadequado para a multiplicidade de funções que tenho que cuidar.”

Este pequeno exercício permitirá que você encontre a causa do pensamento repetido “Eu odeio meu trabalho” – afinal, ele não surgiu do nada.

Em seguida, tente responder à pergunta por que você ainda não saiu da empresa se odeia trabalhar no escritório. Considere se a raiva do chefe é permanente ou apenas temporária. 

Não gosto do meu trabalho: o que fazer?

Seus sentimentos de ódio ao trabalho também podem ser causados ​​por fadiga crônica, que se traduz em falta de vontade de trabalhar. 

Ineficácia – você perde sua mobilização e força para trabalhar. Sua produtividade não está mais no mesmo nível do período inicial de emprego;

Despersonalização – você perde a fé em seu projeto e nas pessoas com quem trabalha;

Exaustão – você não tem força, motivação e vontade de agir, e está cansado do excesso de responsabilidades que lhe são impostas.

Se você se identifica com o primeiro tipo de esgotamento, pode precisar de um momento de descanso para recuperar as forças e a vontade de continuar. 

Se você não gosta do seu trabalho há algum tempo, pode ser uma boa ideia sair de férias por alguns dias, se for o caso.

Você está relutante em trabalhar? Fale com o chefe

No caso de despersonalização, será necessário conversar com seu supervisor. Conte a ele sobre suas dúvidas e pergunte sobre a possibilidade de lhe apresentar tarefas mais relacionadas aos seus interesses.

E se você se sente exausto e diz a si mesmo todos os dias: “Eu odeio trabalhar”, talvez você precise mudar não apenas seu trabalho, mas também o ambiente e a cidade em que vive.

Eu odeio ir trabalhar – o que vem depois?

Se você tem certeza de que enviar um aviso é a única boa solução para seu problema com o trabalho, pense no que você gosta de fazer e no que gostaria de fazer profissionalmente. 

O tipo de trabalho que você fez até agora também é muito importante. Se você sabe que odeia o trabalho de escritório, está cansado de passar várias horas por dia na frente da tela do computador, se irrita com a competição e odeia o trabalho em equipe, provavelmente não encontrará seu caminho em nenhum ambiente corporativo. 

Considere se as habilidades que você possui permitirão que você inicie um trabalho, por exemplo, como freelancer. Por outro lado, quando você diz que não gosta de trabalho manual, procure uma profissão que não exija o uso da força. 

Se você acha que sua vocação é fazer cálculos, preparar um orçamento e usar suas habilidades analíticas, talvez seja hora de treinar novamente para se tornar um analista financeiro. 

Como começar a andar de bicicleta?

Como começar a andar de bicicleta?

Dicas para aprender a andar de bicicleta e utilizá-la tanto como um lazer quanto como um meio de transporte para alguns percursos do dia a dia

A bicicleta é um meio de transporte ecológico e econômico, além de ser uma ótima ferramenta para se exercitar, com diversos benefícios para a saúde (do corpo e da mente). O número de ciclistas no Brasil é crescente, e cidades de todas as regiões já estão se adaptando para se tornarem mais seguras e convidativas para a prática.

No entanto, o aumento do interesse pelas bicicletas fez com que muita gente se deparasse com a pergunta: como começar a pedalar? Não só no sentido de como criar o hábito, mas, muitas vezes, de aprender mesmo a se equilibrar em cima da magrela.

A boa notícia é que, apesar de exigir algum treino e, possivelmente, algumas quedas no início, aprender a pedalar não é tão difícil quanto pode parecer. E há quem diga que esse é um conhecimento que nunca se esquece.

Como começar a andar de bicicleta?

Em todo o mundo, esse é um aprendizado que faz parte da cultura e costuma ser passado de pai para filho. No entanto, sempre é tempo: adultos e até mesmo idosos que nunca pedalaram antes podem aprender.

O segredo é o equilíbrio. E para encontrá-lo, é preciso treinar. Algumas dicas podem ajudar nesse processo e servem tanto para quem vai ensinar alguém a pedalar quanto para quem não aprendeu na infância começar agora. 

  • Ajuste a bicicleta a um tamanho adequado para a sua altura. As pernas devem ficar confortáveis para pedalar, dando altura para que os pés alcancem, facilmente, o chão.
  • Peça a ajuda de alguém experiente que, além de dicas, possa servir de apoio para as primeiras pedaladas.
  • Utilize equipamentos de segurança, como capacetes e óculos, para reduzir os danos das quedas.
  • Comece devagar, em um terreno plano e com pouco movimento. Se possível, escolha um local com grama, que vai amenizar as quedas.
  • Aos poucos, vá acrescentando pequenos declives e subidas no percurso, para entender como precisa agir nessas situações.
  • Você vai precisar ganhar alguma velocidade para manter o equilíbrio, mas não exagere. Você não vai querer cair correndo.
  • Teste os freios enquanto a bike estiver parada para entender como eles funcionam e mantenha as mãos no guidom de forma a acessar esse recurso com agilidade, quando necessário.
  • Se a bicicleta for de marcha, teste todas as opções pedalando parado e escolha um nível de peso intermediário para começar. Se possível, comece em um veículo sem marchas, que é mais fácil de aprender.
  • Mantenha o olhar sempre para a frente e não em quem estiver te ajudando.

Como começar a pedalar pela cidade?

Se você já se sente confortável com o funcionamento da bicicleta, pode começar a incluir o veículo cada vez mais na sua rotina, tanto como um lazer quanto como um meio de transporte para alguns percursos do dia a dia. A seguir, algumas dicas para quem está começando.

  • Utilize sinalização na bicicleta e, de preferência, equipamentos de proteção individual.
  • Prefira sempre pedalar por ciclovias e ciclofaixas e verifique nas leis de trânsito quais são as recomendações para os lugares sem essas sinalizações.
  • Estude o percurso anteriormente e nunca olhe o mapa no celular enquanto pedala. Se precisar conferir o trajeto, pare a bicicleta em um local seguro para fazer isso.
  • Evite pedalar usando fones de ouvido, porque isso pode te atrapalhar a ouvir buzinas e outros alertas.
  • Se quer usar a bicicleta como meio de transporte para as atividades de rotina, tente conhecer e se familiarizar com o trajeto antes, sem pressa e sem horário a cumprir — no final de semana, por exemplo.
  • Comece com pequenas distâncias, que você pode ir aumentando à medida que se sentir mais confortável com a bicicleta e tiver mais preparo físico para encarar um caminho maior;
  • Nas grandes cidades, você pode começar utilizando bicicletas de uso compartilhado. Isso permite que você faça somente uma parte do trajeto de bike, pois pode deixar o veículo em estações pelo caminho. Dá para só ir ou só voltar também, dependendo da ocasião.
  • Planeje programas de lazer com a bicicleta, como pedalar por algum parque no final de semana.
Passeios divertidos para fazer com seus filhos

Passeios divertidos para fazer com seus filhos

7 dicas de programas para levar as crianças, na sua cidade ou em viagens de curta duração

Quem tem filhos sabe que pode ser um desafio encontrar o que fazer com eles nos dias de folga, já que deixá-los entediados em casa quase nunca é uma boa ideia. Sendo assim, é sempre bom ter em mente algumas ideias de passeios externos. 

Se esses programas forem criativos, melhor ainda, pois crianças e adolescentes costumam se empolgar mais com novidades e lugares novos. Se houver a possibilidade de contato intenso com a natureza, muito verde e água, mais sucesso ainda.

Pode ser uma viagem em família ou uma visita a algum destino na sua própria cidade. Já esgotou suas ideias e não sabe mais o que propor? Fizemos uma lista com dicas simples, mas que vão te inspirar.

Piquenique no parque

Que tal preparar alguns lanches gostosos, colocar em uma cesta, escolher uma toalha bem bonita e ir comer ao ar livre, em algum parque da sua cidade? Esse passeio é um clássico, que não exige muitos gastos e agrada a família toda, inclusive as crianças pequenas.

Esse é um programa perfeito para o período da manhã — quando o sol ainda não está tão quente —, mas pode se estender pelo dia todo. Vale também levar bola, baralho e outras brincadeiras com as quais vocês possam se divertir durante o passeio.

Praia

A praia é outro tipo de passeio que agrada a família toda e, mesmo se você não mora no litoral, pode programar de passar o próximo final de semana ou as férias em um destino com mar. Prefira praias com mar calmo, onde as crianças vão poder brincar sem tanto perigo.

Parque de diversões

Os parques de diversões são sempre cartas na manga, porque crianças de todas as idades costumam adorar esse programa — se for mais radical, até os adolescentes curtem. Vale visitar aquele parque da sua cidade que vocês não vão há tempos ou fazer uma pequena viagem para um destino com essa opção.

Uma dica para esse tipo de programa é sempre comprar os ingressos com antecedência e evitar os finais de semana prolongados e feriados, já que as filas para os brinquedos podem ser muito grandes, fazendo com que o passeio acabe virando um perrengue.

Parque aquático

Os resorts e parques aquáticos são ótimas opções porque podem significar algum relaxamento para os pais, com sombra e água fresca, enquanto as crianças se divertem nas piscinas e toboáguas, sob a supervisão de monitores. Mas também são ótimos locais para pais e filhos brincarem juntos, criando boas memórias.

Se vocês nunca foram juntos a um parque aquático, é uma boa ideia começar a planejar uma viagem para algum destino famoso. Há opções que ficam na praia e também em estâncias hidrotermais, com água naturalmente quente.

Viagem para o interior

Muitas vezes, apenas mudar de ares em um lugar com mais contato com a natureza já é suficiente para animar as crianças — e também para os pais voltarem com as energias renovadas. Por isso, que tal fazer uma viagem para aquela cidadezinha charmosa perto de casa? Se puder, se hospede em um hotel-fazenda.

Museus temáticos

Visitar museus é um tipo de programa acessível e interessante e que muita gente não faz porque acha que é só para adulto. Mas você sabia que existem vários museus temáticos para crianças e adolescentes? 

O Museu Catavento e o Museu da Imaginação, em São Paulo, por exemplo, são ótimas opções. Crianças pequenas também costumam gostar de qualquer museu que seja interativo. Pesquise as opções da sua cidade ou já programe a próxima viagem pensando em proporcionar essa imersão cultural para seus filhos.

Cinema 

O cinema é outro passeio divertido e que não requer tanto planejamento, caso você more em uma cidade com essa opção. Uma dica é escolher o filme junto com os seus filhos, o que aumenta as chances de eles gostarem do programa. Pipoca também não pode faltar!

Brincadeiras para pais e filhos curtirem o inverno

Brincadeiras para pais e filhos curtirem o inverno

Era uma vez, telefone sem fio, passa anel, desenho maluco, cabaninha e Uno

Com a chegada do inverno e das chuvas, é preciso usar a criatividade para distrair as crianças dentro de casa, não é mesmo? Especialmente quando a intenção é evitar que os pequenos passem ainda mais tempo em frente às telas de smartphone, TV, tablet e computador. 

Uma boa forma de fazer isso é resgatar opções de entretenimento da sua infância e apresentar para seus filhos, visto que algumas brincadeiras no inverno podem ser muito divertidas. 

Gostou da ideia e quer conferir nossas sugestões? Neste artigo, listamos algumas alternativas de jogos e brincadeiras para jogar e brincar com as crianças em dias e noites frias. Confira!

Era uma vez

Para brincar de “era uma vez” de forma divertida, basta deixar a criatividade fluir. Você pode, por exemplo, começar uma história e pedir para a criança completá-la. Além disso, se quiser, também pode ser legal apostar em fantasias para criar personagens e, assim, entrar no universo da história.

Telefone sem fio

Para brincar de “telefone sem fio”, o primeiro passo é reunir a família em um círculo. O primeiro participante deve criar uma mensagem e cochichar no ouvido do próximo. Dessa forma, a mensagem vai passando entre as pessoas e cada uma repassa da maneira que entendeu.

A última pessoa a receber a mensagem deve repetir o que ouviu em voz alta. Neste final, uma coisa é certa: essa brincadeira vai render boas gargalhadas, pois geralmente a mensagem do fim é totalmente diferente da mensagem inicial.

Passa anel

Para o “passa anel” você precisa, obviamente, de um anel. Com ele em mãos, deixe a criança ser a responsável por passar. Ela deverá colocá-lo entre as palminhas das mãos e passá-las entre as mãos de outros participantes, que devem formar um círculo.

O passador (neste caso, a criança) pode fazer esse movimento quantas vezes quiser, porém, em um deles, deve de fato passar o anel. E, ao terminar, ela precisa perguntar a um dos jogadores com quem ficou o objeto. 

Se o participante acertar, ele passa a ser o passador. Se errar, a brincadeira segue até alguém acertar.

Desenho maluco

Para o “desenho maluco”, você vai precisar de lápis de cor, canetinhas, tinta, giz de cera e de algumas folhas brancas. Na primeira parte da brincadeira, cada um irá desenhar uma cabeça.

Depois disso, você e seu filho deverão trocar de folha para que cada um desenhe o corpo da figura do outro. Em seguida, as folhas deverão ser trocadas novamente para o desenho dos braços.

Esse ciclo deverá se repetir até que toda a figura esteja completamente desenhada. Após isso, revelem as obras de artes prontas para que todos vejam como ficou cada desenho.

Cabaninha

A “cabaninha” é uma brincadeira antiga que tem tudo a ver com os dias mais frios. Você pode escolher o cômodo da casa que seja mais confortável, pegar algumas cadeiras, lençóis e objetos interessantes para construir uma cabana bem firme e aconchegante. 

Aqui, tudo deve acontecer no improviso. Dessa forma, as crianças terão a oportunidade de imaginar, inventar e experimentar um novo tipo de diversão. 

Para deixar a brincadeira mais interessante, você pode dizer aos pequenos que todos estão presos numa caverna ou perdidos em uma floresta perigosa, estimulando a imaginação deles.

Uno

O Uno é um jogo que pode ter de dois a dez participantes, porém, é indicado para crianças a partir dos sete anos de idade.

O objetivo principal é ser o primeiro jogador a ficar sem cartas nas mãos e, para isso, é necessário utilizar todos os recursos possíveis para evitar que os outros jogadores vençam.

Além de muito divertido, esse jogo promove a atividade em grupo e auxilia no raciocínio lógico, concentração, pensamento estratégico e capacidade associativa da criança.

Como escolher uma pia de banheiro

Como escolher uma pia de banheiro? – Confira algumas dicas!

Como escolher uma pia de banheiro? Pia suspensa, de canto, de coluna ou de bancada: cada banheiro tem a sua própria pia. Vidro ou cerâmica, dupla ou simples, rústica ou moderna: neste guia você encontra as melhores dicas para comprar sua pia de banheiro perfeita.

  • Leia também:

São muitos os modelos disponíveis, e neste conteúdo, separamos as principais dicas e tipos de pias disponíveis. Então, caso procura por algumas ideias de como escolher uma pia de banheiro, acompanhe-nos até o final da matéria. Vamos lá, leia com a gente!

Como escolher uma pia de banheiro: suspensa, coluna ou bancada

  • Pia com pedestal não permite a instalação de um móvel base.
  • Pia com pedestal e a pia suspensa, permitem libertar espaço no solo e facilitar o acesso a pessoas com mobilidade reduzida.
  • As pias de bancada devem ser instaladas num móvel.
  • Os tampos de pia são feitos de um único material e podem ser simples ou duplos, dependendo das necessidades e tamanho do banheiro.

Os materiais condicionam a manutenção e limpeza. Os mais usados são:

  • Cerâmica, fácil de limpar;
  • Resina, fácil de limpar;
  • Vidro, fácil manutenção;
  • Pedra, manutenção delicada;
  • Aço inoxidável, higiênico e fácil de limpar.

A instalação depende do tipo de pia:

  • Pias suspensas requerem o uso de furadeira e bujões de fixação;
  • Pias embutidas envolvem o corte da parte superior do gabinete usando uma serra;
  • Pias de bancada precisam de um furo para o ralo feito com serra copo;
  • Pias de coluna precisam ser fixadas na parede como pias suspensas;
  • Os tampos das pias devem ser colocados ou fixados à parede consoante o modelo.

Os diferentes tipos de pias

Como escolher uma pia de banheiro? Da pia retro a pia contemporânea de bancada (cuba), a escolha é vasta. Para escolher melhor a pia do banheiro, primeiro identifique o tipo. Existem diferentes tipos de pias: suspensas, embutidas, de coluna e com pé.

Pia suspensa

A pia suspensa é fixada na parede do banheiro, na altura escolhida. A configuração da pia suspensa a torna estética e moderna, facilita a limpeza, reduz o espaço ocupado e facilita o acesso a pessoas com mobilidade reduzida. Como a pia é suspensa, é muito importante escolher bem as buchas de fixação corretas.

Pia de pedestal

A pia de coluna se assemelha a uma pia suspensa sob a qual é adicionada uma coluna para ocultar o sifão e os tubos. A pia com pedestal é mais retrô e reduz o espaço disponível no banheiro. A pia deve, em qualquer caso, ser fixada à parede porque a coluna tem apenas uma função estética.

Pia de piso monobloco

A pia de piso monobloco é mais rara e moderna. O seu volume considerável a torna adequada para banheiros espaçosos.

Composto por um único bloco que assenta diretamente no solo, a pia monobloco é um elemento com um design requintado, disponível em diferentes formas, materiais e cores.

Tipos de pias

A pia com cuba é considerada uma pia moderna pela variedade das suas formas e cores e pelos diferentes materiais inovadores que compõem (granito, madeira, mármore, pedra, etc.). A cuba está disponível em três modelos:

Cuba embutida

A pia embutida é instalada cuba e, portanto, não requer cortes. Sua instalação é mais complexa do que uma pia de bancada e as torneiras podem ser integradas ou não.

Cuba independente

A cuba autônoma é fácil de instalar, pois é colocada e fixada em um armário de banheiro. No entanto, é necessário fazer furos para drenos durante a instalação.

A parte superior da cuba azulejada

O tampo de pia em azulejo permite a instalação de mosaicos ou azulejos. A parte superior pode ser cortada e não tem limite de tamanho.

Os materiais dos vários tipos de pia

A resistência e manutenção de uma pia são determinadas pelos materiais que o compõem. Como escolher uma pia de banheiro neste caso? Explicamos a você.

Cerâmica

A cerâmica é feita de matérias-primas naturais. É anti-calcário, fácil de manter e arranhões e solventes são indiferentes.

Aço inoxidável

O aço inoxidável só pode ser limpo com um detergente suave, é resistente a impactos e sensível a arranhões. Para um banheiro de estilo moderno ou industrial.

Pedra

A pedra faz a diferença pela resistência aos choques térmicos. Basta um pouco de água e sabão para limpá-lo, pois é sensível a produtos químicos abrasivos de manutenção. O material favorito num banheiro Zen.

Resinas e materiais compostos

Novos materiais compostos à base de resina de poliéster (superfície sólida) fazem a sua entrada na família de pias suspensas e de bancada. Além de serem fáceis de limpar (água e sabão), os materiais compostos oferecem higiene impecável e ampla escolha de cores e formas. Este foi o nosso guia sobre como escolher pia de banheiro. Esperamos que tenha gostado. Caso ainda tenha dúvidas, comente abaixo. Até a próxima!

Confira os principais estilos de moda feminina e como definir o seu

Confira os principais estilos de moda feminina e como definir o seu

Conhecer os estilos e saber com quais você se identifica ou não é o primeiro passo

Se alguém te perguntar qual é o seu estilo de se vestir, você sabe responder? Não existe resposta certa, até porque a gente sabe que cada ambiente pede um tipo de composição. Além disso, a gente pode ir mudando de gosto a cada fase da vida, adaptando, assim, também o modo de se vestir.

No entanto, em qualquer ocasião e lugar, você pode chegar com peças que tenham a ver com você e com a imagem que quer transmitir para o mundo. Mas, antes de definir qual estilo você gosta ou não, é preciso conhecê-los. 

Saber qual é o seu estilo ajuda a melhorar os filtros na hora da busca por looks femininos que tenham a ver contigo, tanto se você vai comprar, quanto para facilitar a vida de quem for te presentear — ninguém merece ganhar uma peça nada a ver e ainda ter que fingir que adorou, não é mesmo?

Conhecer as características dos principais estilos reconhecidos em todo o mundo também pode ser uma ótima ferramenta de autoconhecimento. Afinal, como você vai saber se apresentar para o mundo se não conhecer todas as possibilidades? Confira uma lista com os estilos mais populares. 

Estilo casual, natural ou esportivo

Os três nomes pelos quais esse estilo é conhecido já dizem muito sobre ele: preza pelo conforto no lugar de grandes produções. Isso quer dizer que jeans, camiseta, moletom, legging, jaqueta, tênis, sandálias anabela e outras peças confortáveis, leves e soltas são os carros-chefe desse estilo. 

Mas não é porque é simples e despretensioso que esse estilo não pode ser elegante. O comfy, que está em alta depois da pandemia, deriva dele e oferece inúmeras possibilidades.

Estilo tradicional 

O estilo tradicional é um pouco mais formal que o casual, mas também preza por uma certa simplicidade. Em geral, passa um ar de confiança, com tons mais sóbrios e cortes perfeitos, mas sem muita ousadia. 

Um look “normal” de trabalho, geralmente, é desse estilo. O mais legal, no entanto, é mesclar elementos de outros estilos para dar a essas composições um pouco da sua cara, sem perder o tom de seriedade, que pode ser bem-vindo em várias ocasiões.

Estilo romântico

Esse é um estilo muito feminino, ideal para quem quer passar um ar meigo. Vestidos e blusas soltas com estampa florida, saias rodadas, rasteirinhas, sapatilhas, rendas, laços, acessórios minimalistas e peças em cores doces dominam esse estilo, que já virou atemporal.

Estilo urbano, moderno ou dramático

Esse estilo aposta em peças mais “pesadas”, que remetem à atmosfera dos grandes centros urbanos e às mulheres independentes e com personalidade forte. Jaquetas, coturnos e peças destroyed fazem parte dessas produções, que não passam despercebidas.

Estilo sexy

Esse é um estilo para quem quer impressionar e pode até ser um estilo adotado por todas, a depender da ocasião. Botas, bodys, peças justas, decotes profundos, fendas, transparências, saltos finos, croppeds e peças em couro são itens que entram aqui. As cores preto e vermelho dominam, mas não são as únicas.

Estilo refinado ou clássico

Esse é um estilo, ao mesmo tempo, delicado, elegante e clássico. Peças de alfaiataria, acessórios chiques, cores em tons pastéis e sapatos delicados aparecem com tudo. A qualidade de tudo importa e o acabamento é parte importante, mesmo se estivermos falando da camiseta branca que vai compor o look.

Estilo criativo

Esse estilo é quase um passe-livre, pois permite a mistura de elementos de todos os outros, além de peças pouco convencionais e combinações que fogem do senso comum. Itens extravagantes, mistura de estampas e acessórios que chamam a atenção têm tudo a ver com esse estilo descontraído e cheio de personalidade.

Culinária vegetariana

Culinária vegetariana: 5 receitas fáceis e simples para o dia a dia

Aprenda diferentes pratos vegetarianos para a sua alimentação diária 

Seja pela estética, pela ética ou pela alimentação saudável, o consumo da culinária vegetariana tem crescido muito nos últimos tempos. Consequência disso são as ofertas de produtos veganos e vegetarianos que, atualmente, estão ganhando espaço nas prateleiras dos supermercados.

Aderiu ao movimento ou está pensando em colocar receitas vegetarianas no seu cardápio? Então confira receitas fáceis e simples de cozinhar em casa

O movimento vegetariano

O vegetarianismo é uma prática alimentar que envolve o consumo de alimentos de origem vegetal. Essa dieta pode ser ou não composta por ovos e laticínios. 

Ultimamente, muitas pessoas têm se tornado adeptas do movimento por diferentes motivos, entre eles destaca-se a preservação da vida animal, mas também a busca por uma alimentação saudável e o apoio às causas sustentáveis.

Em 2018, a Sociedade Vegetariana Brasileira (SVB) solicitou ao Ibope uma pesquisa que revelasse a situação do vegetarianismo no Brasil. Segundo os dados levantados, cerca de 30 milhões de pessoas, que corresponde a 14% da população, declara-se vegetariana. Essa estimativa sobressai aos costumes de países tais quais Austrália e Nova Zelândia. 

Assim, se deseja iniciar com essa dieta alimentar, saiba como introduzir esse hábito na sua rotina. 

Como aderir ao costume vegetariano?

Antes de tudo, peça a ajuda de um nutricionista para modificar a alimentação do seu cardápio. Esse profissional vai orientá-lo na escolha correta de alimentos necessários que irão substituir os nutrientes da carne. 

Outra sugestão é fazer a dieta conhecida como “a segunda sem carne”. Ela consiste em toda segunda-feira não consumir nenhum tipo de comida de origem animal. Aos poucos, aumente os dias que não comerá proteína derivada do animal, não precisa ser radical e cortar de uma vez. 

Procure inserir as leguminosas no seu menu, elas devem compor a maior parte do seu prato. Desse modo, é possível encontrar fontes de proteínas em:

  • feijão;
  • grão-de-bico;
  • lentilha;
  • ervilha;
  • brócolis;
  • rúcula;
  • couve;
  • espinafre.

5 receitas fáceis e simples para o dia a dia

Há quem acredite que a culinária vegetariana é nada apetitosa, mas engana-se quem pensa dessa forma. Existem diversas opções vegetarianas muito saborosas. Para provar isso, confira abaixo 5 receitas fáceis para fazer no seu dia a dia, que vão dar água na boca de qualquer um.

1. Hambúrguer de grão-de-bico

Ingredientes: 

  • 1 xícara de grão-de-bico;
  • 1 cebola picada;
  • 2 dentes de alho;
  • ½ colher de aveia;
  • farinha de rosca (para untar).

Modo de preparo

Cozinhe o grão-de-bico. Após cozido, descasque-o. No liquidificador, bata todos os ingredientes até ficar homogêneo. Coloque sal a gosto e outros temperos de sua preferência. Para finalizar, modele em forma de hambúrguer e leve para grelhar em uma frigideira com um fio de azeite.  

2. Ervilhas com ovo poché

Ingredientes:

  • ervilhas;
  • ovos;
  • pimenta, sal e gergelim.

Modo de preparo

Comece refogando as favas de ervilhas em uma panela, acrescente alho e azeite na água. Após macias, retire-as. Em uma frigideira, adicione água. Ao levantar fervura, mexa até formar um redemoinho, quebre os ovos e adicione-os na água. Continue mexendo até cozinhar. Desse jeito, as gemas serão mantidas moles. Por fim, no prato, coloque as ervilhas e os ovos, salpique pimenta, sal e gergelim a gosto.

3. Espaguete de abobrinha

Ingrediente:

  • abobrinhas;
  • alho;
  • azeite;
  • pimenta do reino;
  • molho pesto.

Modo de preparo

Fatie em um ralador ou processador as abobrinhas. Numa frigideira, aqueça o alho e o azeite, acrescente as abobrinhas fatiadas, salpique um pouco de pimenta do reino. No prato, acrescente o molho pesto ou outro que preferir.  

4. Batata ao murro

Ingredientes:

  • 4 batatas médias;
  • 2 dentes de alho;
  • 1 ramo de alecrim;
  • 3 colheres (sopa) de azeite;
  • sal e pimenta do reino;
  • queijo da sua escolha.

Modo de preparo

Cozinhe as batatas por 20 minutos ou até ficarem macias. Em uma forma untada, coloque os 2 dentes de alho, o alecrim, as colheres de azeite, as batatas um pouco amassadas, salpique pimenta e sal. Finalize cobrindo com o queijo e leve por 30 minutos ao forno pré aquecido a 200ºC, retire quando dourar.

5. Cuscuz marroquino com legumes

Ingredientes:

  • 1 xícara de chá de água;
  • ½ xícara de chá de cuscuz marroquino;
  • ¼ xícara de chá de salsinha (picada);
  • ½ xícara de chá de cada legume da sua preferência;
  • raspas de limão;
  • ½ colher de chá de sal.

Modo de preparo

Essa receita pode ser feita em uma cuscuzeira. Caso não tenha, utilize uma panela normal. Aqueça a água, ao desligar o fogo, coloque o cuscuz. Deixe ele cozinhar no vapor por volta de 5 minutos. Verifique se está com um aspecto solto e umedecido, se estiver basta  adicionar a salsinha, os legumes e as raspas de limão. Já está pronto para servir.

Com certeza, criatividade e ingredientes não vão faltar para tornar seu prato mais atrativo e saboroso.

Dicas para compras online seguras na Espanha

Você já teve medo de comprar online? Muitas vezes encontramos o produto ou serviço que procuramos, mas não nos atrevemos a efetuar o pagamento por medo de que o site não seja confiável.


Na Espanha, de acordo com o “E-commerce Study 2021”, 76% dos internautas espanhóis fazem compras online, o que representa um aumento de 4% em relação aos números de 2020, favorecido pelo aumento das compras online que causou a Covid19.

Quer saber como fazer uma compra segura online? Continue lendo nosso blog, contamos tudo para você!

Você pode se interessar também por plataforma de pagamentos online | A segurança em suas comprar onlines.

Que perigos podem existir ao comprar online?

Muito provavelmente, você já foi informado de que deve ter cuidado ao fazer compras on-line, mas você realmente sabe quais são os perigos que enfrenta?
Os riscos mais comuns de comprar online são:

  • Indo por comentários falsos. Cada vez mais damos mais importância às opiniões dos consumidores, o que pode nos fazer confiar em comentários que não são verdadeiros.
  • Exposição a malware. Se estivermos diante de um site fraudulento, podemos estar comprometendo a segurança de nossos dispositivos.
  • Roubo de dados. Um dos perigos mais proeminentes, que ocorre no momento do pagamento, é a possibilidade de roubo de identidade ou fraude econômica.
  • Uso de métodos de pagamento inseguros. Algumas formas de pagamento são mais vulneráveis ​​do que outras.
  • O que você recebe não é o que você esperava. É muito fácil isso acontecer, pois ao fazer uma compra online não é possível verificar alguns aspectos básicos como qualidade e funcionalidade.
  • Não receber o produto. Se essa loja realmente não existir, você perderá seu dinheiro e não receberá nada.

Como identificar um site inseguro?

Embora às vezes não seja fácil identificar se um site não é seguro, existem vários aspectos que podem nos ajudar a detectá-lo. Os mais comuns são:

  • O conteúdo está mal escrito ou traduzido (erros de ortografia, frases mal construídas, …).
  • As imagens não carregam ou são de baixa qualidade.
  • Há um excesso de anúncios e pop-ups que podem conter links maliciosos para seu dispositivo e privacidade de dados.
  • O endereço web tem um nome suspeito , não corresponde ao que procuramos ou tem uma armadilha que o diferencia do original.
  • Seu URL começa com HTTP em vez de HTTPS. Esta é uma maneira rápida de ver se o site é seguro ou não.
  • Contém links encurtados para ocultar informações sobre a página de destino.
  • A informação do vendedor não aparece, os aspectos legais, as condições de envio e devolução e/ou as condições de pagamento oferecem preços irresistivelmente baixos , fora do mercado.
  • Eles solicitam mais dados do que o necessário para realizar a transação (senhas, PIN, …).
  • Ter avaliações relatando fraude ou não ter avaliações é um sinal de alerta significativo.

Caso identifique algum desses aspectos em um site, recomendamos que procure outras opções para realizar sua compra com segurança.

Dicas para fazer uma compra online segura

Ao efetuar compras online existem 4 pontos que devemos ter sempre em conta para que o pagamento seja seguro:

1. Identifique o vendedor

Antes de efetuar uma compra é fundamental perguntar-nos quem é o vendedor; investigar a situação jurídica da empresa (Registo Comercial, sede, meios de contato…). Isso nos permitirá saber sobre sua confiabilidade e quem devemos reclamar no caso de ter um problema no processo de compra.

2. Protocolo HTTPS

Na barra de endereços podemos detectar dois indicadores que nos permitirão ter certeza de que estamos em uma página segura: o cadeado fechado e que o endereço da web é precedido pelo protocolo HTTPS em vez de HTTP, pois o S ​​no final indica que é um lugar seguro. O protocolo HTTPS (Hyper Text Transfer Protocol Secure) desenvolve uma criptografia que é responsável por proteger os dados que trafegam pela web.

3. Não utilizar rede WIFI pública

Expor-se a uma rede Wi-Fi pública pode nos custar muitos problemas; Essas redes são vulneráveis ​​e inseguras, por isso corremos o risco de ter nossos dados pessoais e bancários roubados. Recomendamos que você use uma conexão privada e confiável, com chaves seguras e criptografia.

4. Usa pasarelas de pago

Uma página confiável deve solicitar seus dados de pagamento por meio de uma plataforma segura. O pagamento deve ser verificado usando senhas temporárias que chegarão até nós via celular. Um exemplo de gateway de pagamento seguro é o Paypal, que é gratuito e permite que você adicione seu cartão bancário sem fornecê-lo à loja e garantir que eles  reembolsarão seu dinheiro em caso de fraude.

Confira mais conteúdos em nosso site. Aproveite e compartilhe em suas redes sociais. Alguma sugestão no que podemos melhorar? Deixe nos comentários.

Qual adoçante usar na dieta cetogênica?

É bastante comum que as pessoas que desejam começar um plano de dieta cetogênica, que no início elas sintam um enorme desejo por açúcar e adoçantes para colocar no seu café, dando aquele gosto especial.

Mesmo para quem já está seguindo uma dieta low-carb ou cetogênica a um bom tempo, é perfeitamente normal sentir vontade de algum doce, como o açúcar. Esse desejo é normal para várias pessoas que estejam em uma dieta cetogênica e ela pode ser tão forte que muitas pessoas não chegam a aguentar.

É nessa hora que a gente precisa avaliar em qual adoçante apostar. Eles possibilitam degustar verdadeiras iguarias mesmo ao realizar uma dieta cetogênica. É sempre importante ter bom senso, não é mesmo? É preciso saber que mesmo os produtos que dizem estarem “livres de carboidratos”, é bem provável que elas possuam algo.

Tipos de adoçante para inserir na dieta cetogênica

Ao longo deste artigo, a gente irá explorar algumas categorias, desde adoçante natural, sintéticos e artificiais. O resumo que você precisa saber, é que em uma dieta com baixo índice de carboidratos, a ideia principal em quando for colocar algum adoçante em uma dieta cetogênica, siga sempre o mesmo, que é colocar adoçante com poucos carboidratos.

Neste tipo de alimentação que muitas pessoas seguem hoje em dia, o adoçante que é mais considerado são os que possuem xilitol e estévia, um pouco com a mistura deles. Isso se deve ao fato de que além de serem naturais, não causam os temidos picos de glicose e podem adoçar do jeito ideal a sua bebida ou pratos.

Geralmente você vai querer procurar um adoçante puro, em vez daquele que possuem dextrose ou polidextrose. Estes aditivos podem chegar a causar um pico de açúcar no sangue, sendo assim o ideal é fazer o seu uso com moderação, para não ingerir gramas e carboidratos que são desnecessários a suas receitas.

Tenha cuidado com os aditivos

Por exemplo, a maior parte dos adoçantes levam substâncias como sucralose, sacarina e também stevia. No entanto, o que muita gente não sabe é que esses adoçantes são bem mais potentes do que o tradicional açúcar.

Os adoçantes se aproximam de certa forma à uma textura desejada, porém fique atento, pois adoçantes que possuem maltodextrina são repletos de carboidratos.

Imagem: Photo by Sharon McCutcheon on Unsplash

Adoçantes naturais: os mais indicados para uma dieta cetogênica?

Estévia, que também pode ser descrita como stevia, é uma erva que está presente na natureza e cujo extrato possui um alto teor de poder adoçante. Esse extrato não conta com praticamente nenhuma caloria, e por conta de não ter carboidratos, a sua popularidade vem crescendo em massa nos últimos anos.

A estévia pode incluir alguns benefícios que são essenciais para a sua saúde. Além dos resultados positivos com os humanos, até mesmo os animais podem usufruir desse adoçante natural.

Outro adoçante natural que é muito citado é a inulina, que é encontrada em diversas plantas. Muitas vezes na embalagem da inulina, vem descrito que os seus carboidratos não serão absorvidos, mas fique de olho, pois nem sempre essa informação é de total confiança.

Álcoois de açúcar também podem ser acrescentados na dieta cetogênica?

Os álcoois de açúcar também se tratam de praticamente um modelo de adoçante natural. Eles estão presentes em pequenas quantidades de frutas ou vegetais que são facilmente encontrados na natureza.

Aqui a gente irá comentar apenas sobre o xilitol, que se trata de álcool de açúcar natural e que também pode ser adicionado em uma dieta cetogênica, desde que com controle ideal. Apenas 60% dos seus carboidratos serão absorvidos pelo nosso organismo.

Gladioli: hastes longas de flores para os dias de verão

Os gladíolos são flores muito populares tanto em cerimónias e celebrações de todo o tipo como como presentes, para decorar as nossas casas e criar recantos especiais no jardim. Eles são um pouco mais delicados de cuidar do que outras plantas sobre as quais falamos em nossa seção de cuidados, mas nada que você não consiga alcançar com dedicação e perseverança. Saiba mais sobre profutos controlados agora mesmo.

O que você deve saber sobre gladíolos?

  • Com mais de 250 espécies e cerca de 10.000 variedades diferentes, os gladíolos são uma das plantas mais variadas.
  • Nativos das áreas quentes do sul da África e da Europa, bem como do Oriente Próximo, os gladíolos são muito populares entre os amantes e colecionadores de plantas de flores.
  • Das suas mais de 250 espécies, 163 são da África Austral, 10 da Eurásia, 9 de Madagáscar e as restantes da África tropical.
  • Fazem parte da família Iridaceae e são uma das chamadas plantas bulbosas, pois se desenvolvem a partir de bulbos.
  • Eles florescem no início do verão e continuam florescendo até o outono. Para garantir que você tenha gladíolos por um longo período de tempo, escalone o plantio de bulbos desde a última geada até a primeira semana do verão.
  • Também é uma boa ideia mover os bulbos de um ano para o outro, para que o novo solo e a localização estimulem seu crescimento, e até mesmo deixá-los descansar entre os plantios por pelo menos um ano.

Cuidados dos gladiolos

  • Uma das principais necessidades dos gladíolos é a luz, especialmente para a floração. As lâmpadas de gladíolo precisam de pelo menos 12 horas por dia de luz direta para que as flores se abram.
  • Os gladíolos podem suportar bem o sol pleno (embora seja uma boa ideia proteger suas pétalas com um pano de sombra durante as horas de pico da onda de calor, por precaução) e não florescem na sombra. Na meia-sombra elas florescerão, mas com menos profusão do que se você as tiver ao sol.
  • Embora se adaptem a praticamente qualquer tipo de solo, o substrato mais adequado é aquele que seja arenoso e com boa drenagem. Você também pode plantar gladíolos em solo vegetal (se você tiver uma horta urbana, matará dois coelhos com uma cajadada só).
  • É uma boa ideia que você deixe um espaço entre o bulbo e o bulbo e que você não plante mais nada junto com seus gladíolos (ou, pelo menos, que você não o faça perto), pois é uma planta muito territorial e só vive bem se não tiver outras espécies por perto.
  • Devido à sua origem e habitat natural, todas as variedades de gladíolos preferem temperaturas quentes e não toleram geadas. Alguns podem viver em temperaturas um pouco mais baixas do que no verão, mas o frio não lhes faz bem.
  • Quanto à irrigação, o gladíolo é uma planta que deseja muita água e umidade constante, embora o encharcamento seja prejudicial, portanto, você deve garantir que o substrato esteja sempre úmido, mas bem drenado.
  • Um solo sempre úmido promove floração mais abundante e aumenta o tamanho das flores, enquanto que se a planta estiver com sede, pode não florescer ou florescer mal.
  • No que diz respeito às pragas, os gladíolos são afetados por tripes, pulgões e lesmas, bem como moscas de bulbo e narcisos e pulgões de bulbo.
  • Além disso, são acometidos por podridão cinzenta, botrytis, ferrugem transversal e fusarium, entre outras doenças.

Curiosidades sobre os gladiolos

  • Você sabia que os gladíolos têm uma alta variabilidade em termos de tamanho de sua flor? Há flores em miniatura e flores gigantes e espetaculares.
  • Como planta, os gladíolos são ideais para criar massas de flores nos meses de verão (e você pode até misturar e combinar tamanhos para criar diferentes alturas e paisagens).
  • Os gladíolos também são muito populares como flores de corte, pois são usados ​​em muitos arranjos e buquês, principalmente para decorar cerimônias de casamento.
  • Para cortar corretamente suas hastes de gladíolo e decorar a casa com elas ou dar um lindo buquê do seu jardim, faça-o abaixo das flores mais próximas do bulbo, quando elas começarem a ganhar cor.
  • Os bulbos de gladíolo são conhecidos como cormos e levam cerca de 60 dias para florescer desde o plantio.
  • Sendo uma planta bulbosa, o gladíolo floresce todos os anos, desde que você cuide e preserve os rebentos adequadamente. Se você os tiver em uma zona temperada e sem gelo, não precisa desenterrá-los: deixe-os descansar para o inverno.
  • Se você mora em uma área com geada, desenterre os bulbos após a última floração e guarde-os em um local escuro e seco, protegido até plantá-los na próxima primavera.
  • Como muitas outras plantas e flores, os gladíolos também têm propriedades medicinais e na Idade Média eram usados ​​em pomadas e cataplasmas como remédio para aliviar a dor.
  • Na época romana, a flor de gladíolo era dada aos gladiadores que triunfavam na batalha; portanto, a flor é o símbolo da vitória.
  • Na linguagem das flores, os gladíolos evocam vitória, força e integridade moral. Dependendo da cor, vários significados são adicionados. Assim, os gladíolos laranja simbolizam o amor sensual, os rosas desejam sorte, os vermelhos evocam o erotismo e os amarelos convidam ao amor.

Agora que você já sabe um pouco mais sobre como cuidar de gladíolos , lembre-se que temos gerânios para você em nossa floricultura e que criamos arranjos especiais com gladíolos , para decorar ou presentear seus entes queridos em qualquer ocasião.

Page 1 of 59

Desenvolvido em WordPress & Tema por Anders Norén