AAJ - Associação de Ajuda a Jovens

Autor: adrianoA Page 1 of 7

Como começar a andar de bicicleta?

Como começar a andar de bicicleta?

Dicas para aprender a andar de bicicleta e utilizá-la tanto como um lazer quanto como um meio de transporte para alguns percursos do dia a dia

A bicicleta é um meio de transporte ecológico e econômico, além de ser uma ótima ferramenta para se exercitar, com diversos benefícios para a saúde (do corpo e da mente). O número de ciclistas no Brasil é crescente, e cidades de todas as regiões já estão se adaptando para se tornarem mais seguras e convidativas para a prática.

No entanto, o aumento do interesse pelas bicicletas fez com que muita gente se deparasse com a pergunta: como começar a pedalar? Não só no sentido de como criar o hábito, mas, muitas vezes, de aprender mesmo a se equilibrar em cima da magrela.

A boa notícia é que, apesar de exigir algum treino e, possivelmente, algumas quedas no início, aprender a pedalar não é tão difícil quanto pode parecer. E há quem diga que esse é um conhecimento que nunca se esquece.

Como começar a andar de bicicleta?

Em todo o mundo, esse é um aprendizado que faz parte da cultura e costuma ser passado de pai para filho. No entanto, sempre é tempo: adultos e até mesmo idosos que nunca pedalaram antes podem aprender.

O segredo é o equilíbrio. E para encontrá-lo, é preciso treinar. Algumas dicas podem ajudar nesse processo e servem tanto para quem vai ensinar alguém a pedalar quanto para quem não aprendeu na infância começar agora. 

  • Ajuste a bicicleta a um tamanho adequado para a sua altura. As pernas devem ficar confortáveis para pedalar, dando altura para que os pés alcancem, facilmente, o chão.
  • Peça a ajuda de alguém experiente que, além de dicas, possa servir de apoio para as primeiras pedaladas.
  • Utilize equipamentos de segurança, como capacetes e óculos, para reduzir os danos das quedas.
  • Comece devagar, em um terreno plano e com pouco movimento. Se possível, escolha um local com grama, que vai amenizar as quedas.
  • Aos poucos, vá acrescentando pequenos declives e subidas no percurso, para entender como precisa agir nessas situações.
  • Você vai precisar ganhar alguma velocidade para manter o equilíbrio, mas não exagere. Você não vai querer cair correndo.
  • Teste os freios enquanto a bike estiver parada para entender como eles funcionam e mantenha as mãos no guidom de forma a acessar esse recurso com agilidade, quando necessário.
  • Se a bicicleta for de marcha, teste todas as opções pedalando parado e escolha um nível de peso intermediário para começar. Se possível, comece em um veículo sem marchas, que é mais fácil de aprender.
  • Mantenha o olhar sempre para a frente e não em quem estiver te ajudando.

Como começar a pedalar pela cidade?

Se você já se sente confortável com o funcionamento da bicicleta, pode começar a incluir o veículo cada vez mais na sua rotina, tanto como um lazer quanto como um meio de transporte para alguns percursos do dia a dia. A seguir, algumas dicas para quem está começando.

  • Utilize sinalização na bicicleta e, de preferência, equipamentos de proteção individual.
  • Prefira sempre pedalar por ciclovias e ciclofaixas e verifique nas leis de trânsito quais são as recomendações para os lugares sem essas sinalizações.
  • Estude o percurso anteriormente e nunca olhe o mapa no celular enquanto pedala. Se precisar conferir o trajeto, pare a bicicleta em um local seguro para fazer isso.
  • Evite pedalar usando fones de ouvido, porque isso pode te atrapalhar a ouvir buzinas e outros alertas.
  • Se quer usar a bicicleta como meio de transporte para as atividades de rotina, tente conhecer e se familiarizar com o trajeto antes, sem pressa e sem horário a cumprir — no final de semana, por exemplo.
  • Comece com pequenas distâncias, que você pode ir aumentando à medida que se sentir mais confortável com a bicicleta e tiver mais preparo físico para encarar um caminho maior;
  • Nas grandes cidades, você pode começar utilizando bicicletas de uso compartilhado. Isso permite que você faça somente uma parte do trajeto de bike, pois pode deixar o veículo em estações pelo caminho. Dá para só ir ou só voltar também, dependendo da ocasião.
  • Planeje programas de lazer com a bicicleta, como pedalar por algum parque no final de semana.
Passeios divertidos para fazer com seus filhos

Passeios divertidos para fazer com seus filhos

7 dicas de programas para levar as crianças, na sua cidade ou em viagens de curta duração

Quem tem filhos sabe que pode ser um desafio encontrar o que fazer com eles nos dias de folga, já que deixá-los entediados em casa quase nunca é uma boa ideia. Sendo assim, é sempre bom ter em mente algumas ideias de passeios externos. 

Se esses programas forem criativos, melhor ainda, pois crianças e adolescentes costumam se empolgar mais com novidades e lugares novos. Se houver a possibilidade de contato intenso com a natureza, muito verde e água, mais sucesso ainda.

Pode ser uma viagem em família ou uma visita a algum destino na sua própria cidade. Já esgotou suas ideias e não sabe mais o que propor? Fizemos uma lista com dicas simples, mas que vão te inspirar.

Piquenique no parque

Que tal preparar alguns lanches gostosos, colocar em uma cesta, escolher uma toalha bem bonita e ir comer ao ar livre, em algum parque da sua cidade? Esse passeio é um clássico, que não exige muitos gastos e agrada a família toda, inclusive as crianças pequenas.

Esse é um programa perfeito para o período da manhã — quando o sol ainda não está tão quente —, mas pode se estender pelo dia todo. Vale também levar bola, baralho e outras brincadeiras com as quais vocês possam se divertir durante o passeio.

Praia

A praia é outro tipo de passeio que agrada a família toda e, mesmo se você não mora no litoral, pode programar de passar o próximo final de semana ou as férias em um destino com mar. Prefira praias com mar calmo, onde as crianças vão poder brincar sem tanto perigo.

Parque de diversões

Os parques de diversões são sempre cartas na manga, porque crianças de todas as idades costumam adorar esse programa — se for mais radical, até os adolescentes curtem. Vale visitar aquele parque da sua cidade que vocês não vão há tempos ou fazer uma pequena viagem para um destino com essa opção.

Uma dica para esse tipo de programa é sempre comprar os ingressos com antecedência e evitar os finais de semana prolongados e feriados, já que as filas para os brinquedos podem ser muito grandes, fazendo com que o passeio acabe virando um perrengue.

Parque aquático

Os resorts e parques aquáticos são ótimas opções porque podem significar algum relaxamento para os pais, com sombra e água fresca, enquanto as crianças se divertem nas piscinas e toboáguas, sob a supervisão de monitores. Mas também são ótimos locais para pais e filhos brincarem juntos, criando boas memórias.

Se vocês nunca foram juntos a um parque aquático, é uma boa ideia começar a planejar uma viagem para algum destino famoso. Há opções que ficam na praia e também em estâncias hidrotermais, com água naturalmente quente.

Viagem para o interior

Muitas vezes, apenas mudar de ares em um lugar com mais contato com a natureza já é suficiente para animar as crianças — e também para os pais voltarem com as energias renovadas. Por isso, que tal fazer uma viagem para aquela cidadezinha charmosa perto de casa? Se puder, se hospede em um hotel-fazenda.

Museus temáticos

Visitar museus é um tipo de programa acessível e interessante e que muita gente não faz porque acha que é só para adulto. Mas você sabia que existem vários museus temáticos para crianças e adolescentes? 

O Museu Catavento e o Museu da Imaginação, em São Paulo, por exemplo, são ótimas opções. Crianças pequenas também costumam gostar de qualquer museu que seja interativo. Pesquise as opções da sua cidade ou já programe a próxima viagem pensando em proporcionar essa imersão cultural para seus filhos.

Cinema 

O cinema é outro passeio divertido e que não requer tanto planejamento, caso você more em uma cidade com essa opção. Uma dica é escolher o filme junto com os seus filhos, o que aumenta as chances de eles gostarem do programa. Pipoca também não pode faltar!

Brincadeiras para pais e filhos curtirem o inverno

Brincadeiras para pais e filhos curtirem o inverno

Era uma vez, telefone sem fio, passa anel, desenho maluco, cabaninha e Uno

Com a chegada do inverno e das chuvas, é preciso usar a criatividade para distrair as crianças dentro de casa, não é mesmo? Especialmente quando a intenção é evitar que os pequenos passem ainda mais tempo em frente às telas de smartphone, TV, tablet e computador. 

Uma boa forma de fazer isso é resgatar opções de entretenimento da sua infância e apresentar para seus filhos, visto que algumas brincadeiras no inverno podem ser muito divertidas. 

Gostou da ideia e quer conferir nossas sugestões? Neste artigo, listamos algumas alternativas de jogos e brincadeiras para jogar e brincar com as crianças em dias e noites frias. Confira!

Era uma vez

Para brincar de “era uma vez” de forma divertida, basta deixar a criatividade fluir. Você pode, por exemplo, começar uma história e pedir para a criança completá-la. Além disso, se quiser, também pode ser legal apostar em fantasias para criar personagens e, assim, entrar no universo da história.

Telefone sem fio

Para brincar de “telefone sem fio”, o primeiro passo é reunir a família em um círculo. O primeiro participante deve criar uma mensagem e cochichar no ouvido do próximo. Dessa forma, a mensagem vai passando entre as pessoas e cada uma repassa da maneira que entendeu.

A última pessoa a receber a mensagem deve repetir o que ouviu em voz alta. Neste final, uma coisa é certa: essa brincadeira vai render boas gargalhadas, pois geralmente a mensagem do fim é totalmente diferente da mensagem inicial.

Passa anel

Para o “passa anel” você precisa, obviamente, de um anel. Com ele em mãos, deixe a criança ser a responsável por passar. Ela deverá colocá-lo entre as palminhas das mãos e passá-las entre as mãos de outros participantes, que devem formar um círculo.

O passador (neste caso, a criança) pode fazer esse movimento quantas vezes quiser, porém, em um deles, deve de fato passar o anel. E, ao terminar, ela precisa perguntar a um dos jogadores com quem ficou o objeto. 

Se o participante acertar, ele passa a ser o passador. Se errar, a brincadeira segue até alguém acertar.

Desenho maluco

Para o “desenho maluco”, você vai precisar de lápis de cor, canetinhas, tinta, giz de cera e de algumas folhas brancas. Na primeira parte da brincadeira, cada um irá desenhar uma cabeça.

Depois disso, você e seu filho deverão trocar de folha para que cada um desenhe o corpo da figura do outro. Em seguida, as folhas deverão ser trocadas novamente para o desenho dos braços.

Esse ciclo deverá se repetir até que toda a figura esteja completamente desenhada. Após isso, revelem as obras de artes prontas para que todos vejam como ficou cada desenho.

Cabaninha

A “cabaninha” é uma brincadeira antiga que tem tudo a ver com os dias mais frios. Você pode escolher o cômodo da casa que seja mais confortável, pegar algumas cadeiras, lençóis e objetos interessantes para construir uma cabana bem firme e aconchegante. 

Aqui, tudo deve acontecer no improviso. Dessa forma, as crianças terão a oportunidade de imaginar, inventar e experimentar um novo tipo de diversão. 

Para deixar a brincadeira mais interessante, você pode dizer aos pequenos que todos estão presos numa caverna ou perdidos em uma floresta perigosa, estimulando a imaginação deles.

Uno

O Uno é um jogo que pode ter de dois a dez participantes, porém, é indicado para crianças a partir dos sete anos de idade.

O objetivo principal é ser o primeiro jogador a ficar sem cartas nas mãos e, para isso, é necessário utilizar todos os recursos possíveis para evitar que os outros jogadores vençam.

Além de muito divertido, esse jogo promove a atividade em grupo e auxilia no raciocínio lógico, concentração, pensamento estratégico e capacidade associativa da criança.

Confira os principais estilos de moda feminina e como definir o seu

Confira os principais estilos de moda feminina e como definir o seu

Conhecer os estilos e saber com quais você se identifica ou não é o primeiro passo

Se alguém te perguntar qual é o seu estilo de se vestir, você sabe responder? Não existe resposta certa, até porque a gente sabe que cada ambiente pede um tipo de composição. Além disso, a gente pode ir mudando de gosto a cada fase da vida, adaptando, assim, também o modo de se vestir.

No entanto, em qualquer ocasião e lugar, você pode chegar com peças que tenham a ver com você e com a imagem que quer transmitir para o mundo. Mas, antes de definir qual estilo você gosta ou não, é preciso conhecê-los. 

Saber qual é o seu estilo ajuda a melhorar os filtros na hora da busca por looks femininos que tenham a ver contigo, tanto se você vai comprar, quanto para facilitar a vida de quem for te presentear — ninguém merece ganhar uma peça nada a ver e ainda ter que fingir que adorou, não é mesmo?

Conhecer as características dos principais estilos reconhecidos em todo o mundo também pode ser uma ótima ferramenta de autoconhecimento. Afinal, como você vai saber se apresentar para o mundo se não conhecer todas as possibilidades? Confira uma lista com os estilos mais populares. 

Estilo casual, natural ou esportivo

Os três nomes pelos quais esse estilo é conhecido já dizem muito sobre ele: preza pelo conforto no lugar de grandes produções. Isso quer dizer que jeans, camiseta, moletom, legging, jaqueta, tênis, sandálias anabela e outras peças confortáveis, leves e soltas são os carros-chefe desse estilo. 

Mas não é porque é simples e despretensioso que esse estilo não pode ser elegante. O comfy, que está em alta depois da pandemia, deriva dele e oferece inúmeras possibilidades.

Estilo tradicional 

O estilo tradicional é um pouco mais formal que o casual, mas também preza por uma certa simplicidade. Em geral, passa um ar de confiança, com tons mais sóbrios e cortes perfeitos, mas sem muita ousadia. 

Um look “normal” de trabalho, geralmente, é desse estilo. O mais legal, no entanto, é mesclar elementos de outros estilos para dar a essas composições um pouco da sua cara, sem perder o tom de seriedade, que pode ser bem-vindo em várias ocasiões.

Estilo romântico

Esse é um estilo muito feminino, ideal para quem quer passar um ar meigo. Vestidos e blusas soltas com estampa florida, saias rodadas, rasteirinhas, sapatilhas, rendas, laços, acessórios minimalistas e peças em cores doces dominam esse estilo, que já virou atemporal.

Estilo urbano, moderno ou dramático

Esse estilo aposta em peças mais “pesadas”, que remetem à atmosfera dos grandes centros urbanos e às mulheres independentes e com personalidade forte. Jaquetas, coturnos e peças destroyed fazem parte dessas produções, que não passam despercebidas.

Estilo sexy

Esse é um estilo para quem quer impressionar e pode até ser um estilo adotado por todas, a depender da ocasião. Botas, bodys, peças justas, decotes profundos, fendas, transparências, saltos finos, croppeds e peças em couro são itens que entram aqui. As cores preto e vermelho dominam, mas não são as únicas.

Estilo refinado ou clássico

Esse é um estilo, ao mesmo tempo, delicado, elegante e clássico. Peças de alfaiataria, acessórios chiques, cores em tons pastéis e sapatos delicados aparecem com tudo. A qualidade de tudo importa e o acabamento é parte importante, mesmo se estivermos falando da camiseta branca que vai compor o look.

Estilo criativo

Esse estilo é quase um passe-livre, pois permite a mistura de elementos de todos os outros, além de peças pouco convencionais e combinações que fogem do senso comum. Itens extravagantes, mistura de estampas e acessórios que chamam a atenção têm tudo a ver com esse estilo descontraído e cheio de personalidade.

Culinária vegetariana

Culinária vegetariana: 5 receitas fáceis e simples para o dia a dia

Aprenda diferentes pratos vegetarianos para a sua alimentação diária 

Seja pela estética, pela ética ou pela alimentação saudável, o consumo da culinária vegetariana tem crescido muito nos últimos tempos. Consequência disso são as ofertas de produtos veganos e vegetarianos que, atualmente, estão ganhando espaço nas prateleiras dos supermercados.

Aderiu ao movimento ou está pensando em colocar receitas vegetarianas no seu cardápio? Então confira receitas fáceis e simples de cozinhar em casa

O movimento vegetariano

O vegetarianismo é uma prática alimentar que envolve o consumo de alimentos de origem vegetal. Essa dieta pode ser ou não composta por ovos e laticínios. 

Ultimamente, muitas pessoas têm se tornado adeptas do movimento por diferentes motivos, entre eles destaca-se a preservação da vida animal, mas também a busca por uma alimentação saudável e o apoio às causas sustentáveis.

Em 2018, a Sociedade Vegetariana Brasileira (SVB) solicitou ao Ibope uma pesquisa que revelasse a situação do vegetarianismo no Brasil. Segundo os dados levantados, cerca de 30 milhões de pessoas, que corresponde a 14% da população, declara-se vegetariana. Essa estimativa sobressai aos costumes de países tais quais Austrália e Nova Zelândia. 

Assim, se deseja iniciar com essa dieta alimentar, saiba como introduzir esse hábito na sua rotina. 

Como aderir ao costume vegetariano?

Antes de tudo, peça a ajuda de um nutricionista para modificar a alimentação do seu cardápio. Esse profissional vai orientá-lo na escolha correta de alimentos necessários que irão substituir os nutrientes da carne. 

Outra sugestão é fazer a dieta conhecida como “a segunda sem carne”. Ela consiste em toda segunda-feira não consumir nenhum tipo de comida de origem animal. Aos poucos, aumente os dias que não comerá proteína derivada do animal, não precisa ser radical e cortar de uma vez. 

Procure inserir as leguminosas no seu menu, elas devem compor a maior parte do seu prato. Desse modo, é possível encontrar fontes de proteínas em:

  • feijão;
  • grão-de-bico;
  • lentilha;
  • ervilha;
  • brócolis;
  • rúcula;
  • couve;
  • espinafre.

5 receitas fáceis e simples para o dia a dia

Há quem acredite que a culinária vegetariana é nada apetitosa, mas engana-se quem pensa dessa forma. Existem diversas opções vegetarianas muito saborosas. Para provar isso, confira abaixo 5 receitas fáceis para fazer no seu dia a dia, que vão dar água na boca de qualquer um.

1. Hambúrguer de grão-de-bico

Ingredientes: 

  • 1 xícara de grão-de-bico;
  • 1 cebola picada;
  • 2 dentes de alho;
  • ½ colher de aveia;
  • farinha de rosca (para untar).

Modo de preparo

Cozinhe o grão-de-bico. Após cozido, descasque-o. No liquidificador, bata todos os ingredientes até ficar homogêneo. Coloque sal a gosto e outros temperos de sua preferência. Para finalizar, modele em forma de hambúrguer e leve para grelhar em uma frigideira com um fio de azeite.  

2. Ervilhas com ovo poché

Ingredientes:

  • ervilhas;
  • ovos;
  • pimenta, sal e gergelim.

Modo de preparo

Comece refogando as favas de ervilhas em uma panela, acrescente alho e azeite na água. Após macias, retire-as. Em uma frigideira, adicione água. Ao levantar fervura, mexa até formar um redemoinho, quebre os ovos e adicione-os na água. Continue mexendo até cozinhar. Desse jeito, as gemas serão mantidas moles. Por fim, no prato, coloque as ervilhas e os ovos, salpique pimenta, sal e gergelim a gosto.

3. Espaguete de abobrinha

Ingrediente:

  • abobrinhas;
  • alho;
  • azeite;
  • pimenta do reino;
  • molho pesto.

Modo de preparo

Fatie em um ralador ou processador as abobrinhas. Numa frigideira, aqueça o alho e o azeite, acrescente as abobrinhas fatiadas, salpique um pouco de pimenta do reino. No prato, acrescente o molho pesto ou outro que preferir.  

4. Batata ao murro

Ingredientes:

  • 4 batatas médias;
  • 2 dentes de alho;
  • 1 ramo de alecrim;
  • 3 colheres (sopa) de azeite;
  • sal e pimenta do reino;
  • queijo da sua escolha.

Modo de preparo

Cozinhe as batatas por 20 minutos ou até ficarem macias. Em uma forma untada, coloque os 2 dentes de alho, o alecrim, as colheres de azeite, as batatas um pouco amassadas, salpique pimenta e sal. Finalize cobrindo com o queijo e leve por 30 minutos ao forno pré aquecido a 200ºC, retire quando dourar.

5. Cuscuz marroquino com legumes

Ingredientes:

  • 1 xícara de chá de água;
  • ½ xícara de chá de cuscuz marroquino;
  • ¼ xícara de chá de salsinha (picada);
  • ½ xícara de chá de cada legume da sua preferência;
  • raspas de limão;
  • ½ colher de chá de sal.

Modo de preparo

Essa receita pode ser feita em uma cuscuzeira. Caso não tenha, utilize uma panela normal. Aqueça a água, ao desligar o fogo, coloque o cuscuz. Deixe ele cozinhar no vapor por volta de 5 minutos. Verifique se está com um aspecto solto e umedecido, se estiver basta  adicionar a salsinha, os legumes e as raspas de limão. Já está pronto para servir.

Com certeza, criatividade e ingredientes não vão faltar para tornar seu prato mais atrativo e saboroso.

Como o setor financeiro impacta a sua empresa como um todo?

Como o setor financeiro impacta a sua empresa como um todo?

O setor financeiro precisa estar presente nas organizações, independentemente dos seus nichos. Ele causa grandes impactos benéficos, se houver uma boa gestão.

Continue lendo e entenda como o setor financeiro pode causar grandes impactos à sua empresa.

O que é o setor financeiro de uma empresa?

O setor financeiro de uma empresa mexe com tudo o que envolve de forma direta, ou até mesmo indiretamente, se tratando de dinheiro.

Normalmente, para conseguir organizar todo esse lado de finanças, o setor financeiro tende a se dividir em pequenas áreas para tudo ficar em ordem. Dessa maneira, a primeira área delas, a mais básica e funcional é a tesouraria.

Por isso, antes de qualquer abertura de um negócio, é importante adquirir conhecimentos por meio de um curso de empreendedorismo à distância.

  1. Tesouraria

O controle de entrada e saída do caixa registra as movimentações para saber o que está acontecendo.

Ela tem que fazer um controle do caixa da empresa, a tesouraria tem obrigação de avaliar e decidir em todas as saídas e entradas fazendo um controle do fluxo.

Pode usar um sistema desenvolvido com um ambiente integrado ao financeiro, para tesouraria pode ser feito em planilhas de Excel ou realizado naqueles cadernos de controle de fluxo de caixa.

A questão chave da tesouraria é só ter o registro de entrada e saída, recebendo ou dando a permissão, rejeitando e montando a burocracia, para ter certeza que tudo o que é movimentado está certo

  1. Contas a pagar e contas a receber

É necessário saber o que está planejado e programado para entrar e sair da empresa, sendo assim, surge a área de contas a pagar e receber.

Muitas vezes, são separadas dentro do mesmo bloco de área de trabalho, mas são feitas por pessoas separadas.

O foco é entrar nos recebimentos, e podem ser realizados por parcelas de cartões, boletos ou contratos fechados.

Qual a importância do setor financeiro?

Hoje, o setor financeiro é praticamente o coração da empresa, porque ele é que vai ter o controle de alguns pontos, como:

  • Com que está gastando;
  • Qual é o investimento;
  • Quais são as receitas que estão entrando;
  • Qual o ponto de equilíbrio do seu negócio;
  • O que você precisa para equilibrar as suas contas. 

O setor financeiro pode dar uma visibilidade que o gestor e a equipe comercial não têm.

Ele pode disponibilizar qual é o percentual que está fazendo a utilização em marketing, e em algumas despesas que estão ligadas diretamente no seu serviço, por isso é importante ter uma boa gestão de marketing e vendas.

Esse setor passará quais são as estratégias que pode utilizar para diminuir algumas despesas e ser muito mais produtivo.

Com o setor financeiro bem montado, um setor que não só vai cuidar do seu dinheiro como também irá dar o direcionamento no que você pode fazer e o que está sendo benéfico, vai ser um norteamento enorme. 

Assim, poderá seguir uma cartilha e chegar onde traçou como objetivo. Essa é uma importância que muitas vezes as pessoas não conseguem visualizar, investir e ter um bom setor financeiro.

Como o setor envolve diversas áreas,  é importante que os gestores indiquem aos seus funcionários uma faculdade de vendas e marketing para que fiquem aptos a agir. 

O impacto da gestão financeira em uma empresa

Essa gestão causa um impacto muito grande, principalmente no custo e em dizer se a empresa está indo por um caminho certo ou não.

Se a gestão financeira for feita de uma forma eficiente muitas dúvidas poderão ser respondidas através dela.

De certa forma, ela pode causar um impacto na empresa como um todo de forma positiva se for realizada com eficiência.

Por exemplo, irá evitar os atrasos nos pagamentos, porquanto, fará o acompanhamento exato e uma análise detalhada sobre as entradas e saídas.

Além disso, ela irá auxiliar nas áreas de comercial, por quanto o marketing é muito importante dentro de uma organização.

Para a prospecção de novos clientes, é imprescindível adquirir uma excelente gestão de marketing e comunicação.

Ela irá facilitar também a facilidade em relação às tomadas de decisão dentro da organização.

Essas decisões são precisas em qualquer tipo de setor dentro da organização, principalmente se for um investimento, é necessário ter uma decisão cautelosa.

Dependendo do acompanhamento do fluxo de caixa, o funcionário que participa do setor financeiro, poderá dizer o que deve ou não fazer neste momento.

Por isso é importante que os colaboradores se empenhem e adquiram os conhecimentos técnicos por meio de um curso gestão comercial ead, para ficar presente em diversas áreas com precisão.

Conteúdo originalmente desenvolvido pela equipe do blog Top News Tech, site voltado 

para a veiculação de conteúdos relevantes para empresas, contribuindo com estratégias para o desenvolvimento do negócio.

Entenda o motivo de seu gato arranhar as suas coisas

Antes de tudo, é preciso ter em mente que as unhas são partes importantes do corpo do gato e que o ato de arranhar as coisas é um comportamento perfeitamente normal, que faz parte do instinto do animal.

Porém, além de ser instintiva, a ação de arranhar tem diversos outros motivos. Um deles é o condicionamento das garras, usado por todos os bichanos — desde os domésticos até os mais selvagens. Portanto, para amenizar o problema, comprar arranhadores para seu bichinho de estimação pode ser uma boa opção. 

Neste artigo, você vai entender os motivos que levam o seu pet a arranhar seus móveis e conferir as soluções para diminuir esse hábito ou redirecionar o local que é arranhado. Acompanhe a leitura!

Por que os gatos arranham as coisas?

Basicamente, existem quatro motivos que fazem os bichanos arranharem as coisas. São eles:

1. Afiar e limpar as unhas

Afiar as garras faz parte da natureza dos felinos. Além disso, o ato também é utilizado para limpar as unhas, retirando pedaços que estão soltos, rachados e velhos.

Esses pedaços acabam incomodando bastante, uma vez que os felinos retraem as unhas, podendo até mesmo machucar as patinhas do seu bichinho de estimação.

2. Demarcar território

Arranhar deixa mensagens olfativas e visuais para outros gatos, informando que aquele espaço tem dono, ou seja, é do seu bichano.

Os felinos são muito territorialistas, sendo assim, mesmo que não existam outros gatos por perto, essa é uma ação completamente instintiva.

3. Exercitar-se e alongar-se

Quando o seu bichano arranha os móveis ou o sofá da sua casa, ele também está se exercitando e alongando as patinhas.

4. Para atrair a sua atenção

Embora muita gente pense que os gatos são indiferentes, saiba que eles também gostam de interagir com as pessoas, especialmente com o seu tutor. Portanto, arranhar também pode ser uma forma de chamar a sua atenção.

Como evitar que o seu gato arranhe suas coisas?

Agora que você já sabe os motivos que levam o seu bichano a arranhar as suas coisas, saiba como convencê-lo a não fazer mais isso com apenas duas técnicas. Confira:

1. Compre um arranhador

Se o motivo pelo qual o seu gato anda arranhando suas coisas for para afiar as garras, talvez comprar um arranhador seja uma boa alternativa. 

Comece colocando o objeto bem em frente do lugar onde ele gosta de arranhar e incentive-o, esfregando as patinhas dele suavemente no arranhador. Os arranhadores são planejados considerando justamente esse comportamento dos felinos.

Sendo assim, com um pouco de sorte, o seu bichinho de estimação logo vai entender para que serve esse estranho objeto.

Uma dica que pode ajudar nesse processo é colocar um pouco de ervas para gatos (capim-limão ou grama de alpiste, por exemplo) e petiscos no local que você deseja que ele passe a arranhar.

Dessa maneira, seu gatinho se sentirá atraído e isso pode encorajá-lo a trocar os móveis da sua casa pelo arranhador.

2. Procure brincar com o gatinho

Como já mencionado, embora pareçam indiferentes, muitos gatos gostam de chamar a atenção do tutor, mas às vezes não sabem muito bem como fazê-lo.

Diante disso, é possível que o seu gatinho tenha descoberto que está sendo “ignorado” quando usa o arranhador. Sendo assim, voltar a dar umas “arranhadinhas” no sofá pode ser uma forma de chamar a sua atenção.

Se você perceber que isso está acontecendo, procure passar mais tempo brincando com o gatinho e compre novos brinquedos para ele. Isso pode diminuir os problemas dos arranhões.

Além disso, procure elogiar quando ele usar o arranhador. Isso também pode ajudar a mudar o comportamento do seu bichinho de estimação.

Por fim, vale ressaltar que você não deve esquecer que “arranhar” as coisas é um comportamento instintivo e natural dos gatos, portanto, não puna seu pet por isso.

Consumidor omnichannel: como lidar com esse novo perfil?

Consumidor omnichannel: como lidar com esse novo perfil?

Você sabe o que é consumidor omnichannel? Se não, aqui vai uma rápida explicação: este perfil de cliente é aquele que utiliza diversos canais em seu processo de compra de forma integrada. 

De acordo com pesquisa realizada pela Ipsos, o varejo omnichannel significa que podemos comprar on-line, no celular ou na loja e optar por receber esses itens ou coletá-los em um local que seja conveniente para nós.

O estudo informou ainda que 60% dos consumidores omnichannel pesquisam on-line antes de comprar na loja, contra 27% que fazem o caminho inverso, pesquisam na loja antes de comprar on-line. 

A pesquisa da Ipsos traz também o interessante dado de que os consumidores omnichannel gastam 3,5 vezes mais do que aqueles que compram em apenas um único canal.

Dessa forma, conectar-se com os compradores nos momentos mais importantes, oferecendo um excelente atendimento para esse perfil de cliente que transita omnicanal, é essencial para encantá-lo e sair na frente da concorrência. 

Mas, como fazer isso? É sobre o que iremos falar a seguir neste artigo. 

O que é consumidor omnichannel e como encantá-lo?

Aprofundando um pouco o conceito, a experiência do consumidor omnichannel é composta por diversos pontos de contato, em uma variedade de canais que se conectam perfeitamente, permitindo que ele vá de um canal e ao outro, continuando a experiência de compra de onde parou.

Um exemplo do comportamento desse novo perfil de cliente seria o seguinte: ele realiza sua pesquisa online antes, procurando aprender sobre o produto ou serviço em questão. Ele também pode buscar sanar dúvidas adicionais no chat online da empresa, antes de ir à loja física comprar ou retirar seu pedido. Dessa forma, ele utiliza-se de vários canais de forma complementar.

Às vezes, essa pesquisa on-line realizada pelo consumidor omnichannel pode acontecer enquanto ele está na loja física, por meio do smartphone. Assim, se o preço da loja for competitivo, ele pode optar por já adquirir o produto ali mesmo, economizando com o frete. 

Com base nisso, para encantar esse perfil de cliente, é preciso oferecer uma ótima experiência em todos os canais, que tenha uma comunicação integrada e complementar. 

Aspectos que contribuem para isso na prática, são:

  • o seu site e o seu aplicativo devem ser responsivos, uma vez que cada vez mais as pessoas estão utilizando os dispositivos móveis na jornada de compra, especialmente para pesquisar preços; 
  • a sua loja física esteja preparada para atender com gentileza e eficiência, mesmo aqueles clientes que apenas querem saber mais sobre produtos para depois adquiri-los no site da marca;
  • seus canais atendimento omnichannel, como chat, SAC e WhatsApp, devem conseguir sanar as dúvidas do cliente com agilidade;
  • sua logística deve ocorrer de forma fluida, oferecendo a oportunidade de retirada do pedido em uma loja física próxima do cliente. 

Como impactar o consumidor omnichannel?

Se você quer positivamente impactar o consumidor omnichannel, oferecendo uma experiência que ele não vai esquecer então pratique essas dicas que vamos lhe apresentar na sequência. 

Abrace a era do cliente omnichannel

O surgimento deste perfil de consumidor representa uma transformação significativa na forma como se pensa sobre o varejo, mas esta mudança traz grandes oportunidades. 

Assim, para se engajar com seu cliente omnichannel, comece sua jornada entendendo as características específicas desses compradores.

Primeiro, conheça quem eles são e o que os impulsiona a comprar online e na loja, usando as ferramentas que ajudarão você a medir as compras on-line e off-line de forma eficaz em todos os canais. 

Depois, proporcione a seus clientes informações instantâneas e relevantes, não importa onde estejam ou qual dispositivo estejam usando. 

Também, crie uma estrutura organizacional, com incentivos para que suas equipes on-line e nas lojas trabalhem juntas, apoiando o objetivo comum de atrair compradores omnicanal mais leais e valiosos. 

Vamos abordar, na sequência, em mais detalhes cada um desses três pontos.

Conheça o comportamento do seu cliente omnichannel

Para envolver os consumidores na era do cliente omnichannel, primeiro você precisa entender quem eles são. Basicamente, isso significa conhecer fatores importantes sobre seus clientes, como sexo, demografia, localização, hábitos de navegação no site, hábitos de pesquisa e onde eles compram na loja. 

Mas, é preciso ir além disso e entender o comportamento do seu cliente nos detalhes, medindo a influência de todos os pontos de contato na jornada de compra do consumidor, nos diversos canais: online, offline e entre dispositivos.

Uma forma de fazer isso é  utilizando uma plataforma omnichannel, que rastreia a jornada do cliente em cada canal e fornece uma visão holística de como um cliente valioso faz uma compra.

Sugestão de leitura: Plataforma de atendimento omnichannel: todos os caminhos levam à satisfação do cliente

Ofereça aos consumidores omnichannel informações relevantes

Depois de entender o comportamento do seu cliente omnichannel, é importante pensar formas de prover a eles informações relevantes onde quer que estejam, melhorando a experiência deles. Por que isso? 

De acordo com pesquisa do Google realizada com Ipsos Media CT e Sterling Brands, três em cada quatro compradores que consideram úteis as informações sobre as lojas nos resultados de busca têm maior probabilidade de visitar esses locais físicos.

Essas informações incluem aspectos como a disponibilidade de um item na loja, localização e horário de funcionamento ou preços em uma unidade do estabelecimento que seja próxima.

Assim, formatos de anúncio de on-line para off-line podem melhorar a experiência de compra de seus clientes, facilitando a visualização da localização da loja, dos produtos e do inventário disponível no próprio anúncio.

Crie uma estrutura na sua empresa focada no cliente omnichannel

Depois de entender quem é o seu consumidor omnichannel e como provê-lo com informações relevantes, crie uma experiência de compra perfeita que resultará em uma venda. 

Para isso, você precisará de uma estrutura organizacional que apoie esse processo e esteja focado neste perfil de cliente. Na prática, significa incentivar a colaboração próxima entre suas equipes on-line e off-line (nas lojas), pensando em uma como o prolongamento da outra.

Por exemplo,  se as equipes de e-commerce são recompensadas apenas por compras online, o resultado provável é que eles não se esforçarão para executar campanhas digitais inovadoras que incluam a loja física nesse processo. 

Da mesma forma, se suas equipes de loja não forem recompensadas por contribuir com a venda on-line, dificilmente trabalharão para que isso aconteça.

Assim, o que se deve fazer é analisar de perto como seus funcionários e equipes estão organizados para apoiar o comportamento do cliente omnichannel, criando mecanismos para incentivar seus colaboradores a apoiar essa experiência.

CRM de vendas

O que é CRM de vendas e como montar uma estratégia certeira?

Se a sua empresa quer ter uma estratégia moderna e dinâmica, é importante saber o que é CRM de vendas e como ele pode agregar no trabalho da equipe antes, durante e depois das vendas. Além de auxiliar no relacionamento com os clientes.

Um relatório do LinkedIn sobre vendas concluiu que a adoção de um software de CRM impactou ou impactou muito 64% das empresas entrevistadas. 

A implementação desse tipo de sistema mostra a maturidade do negócio no mercado e a preocupação com investimentos que melhoram as operações e oferecem um atendimento de qualidade.

Se o foco do seu negócio é o cliente e seu comportamento, preferências e expectativas, este artigo é para você.

Explicamos o que é CRM de vendas, para que serve o sistema, motivos para adotar na sua empresa e como montar uma boa estratégia.

O que é CRM de vendas? 

O CRM de vendas é uma estratégia que se baseia na gestão de relacionamento com o cliente. O armazenamento de dados sobre leads e clientes, assim como as interações ao longo da jornada de compra, são feitos em um software que automatiza várias tarefas gerenciais realizadas pela equipe.

A sigla CRM significa Customer Relationship Management, ou seja, gestão de relacionamento com o cliente. As empresas que trabalham com o customer first, incluem os sistemas de CRM para otimizar o trabalho, conhecer melhor o perfil do cliente e como se relacionar com ele.

Dessa forma, o CRM de vendas é eficiente desde a prospecção de leads, passando pela conversão até o relação no pós-venda, o que garante a otimização das estratégias de retenção e fidelização.

Para que serve um CRM em vendas?

Um CRM de vendas serve para registrar e armazenar dados sobre os clientes, identificar oportunidades de conversão, registrar problemas e também administrar o relacionamento com os clientes.

Tanto a estratégia quanto o software de CRM de vendas em si podem ser compartilhadas — e o são com frequência — pelas equipes de vendas e de atendimento ao cliente.

Dessa forma, os dois times têm uma visão detalhada do que acontece no setor, além de conhecer os processos implementados, o que ajuda a manter a consistência do atendimento em todas as etapas pelas quais o cliente passa na sua jornada.

Muita gente acha que o processo de vendas acaba com a conversão do cliente, porém, o pós-venda chega para consolidar o relacionamento que foi duramente conquistado ao longo do tempo e dos esforços da equipe.

6 motivos para sua empresa usar o CRM no pós-venda

Agora que você já sabe o que é CRM de vendas e para que ele serve, pode estar em dúvida se é isso que sua empresa precisa para criar relacionamentos de qualidade e duradouros com os clientes. 

Especialmente, se o seu processo de venda é bem-sucedido e tem uma boa taxa de conversão. Mas já parou para analisar como é a abordagem no pós-venda?

O pós-venda é a etapa que começa depois da conversão do cliente e é um momento decisivo em que a empresa ganha um fã para a marca ou não. Isso porque é preciso ter canais abertos e disponíveis para atender com agilidade as chamadas.

Então, os alguns dos motivos para investir em um CRM no pós-venda e alinhar toda estratégia da empresa do início ao fim são:

Manter os clientes mais próximos da empresa 

Com um sistema de CRM de vendas fica fácil para os atendentes conhecerem cada cliente, consultando seu histórico por meio do software.

Conseguir atender um volume grande de clientes 

A automação dos processos faz toda a diferença para conseguir ser ágil no suporte e reduzir o tempo de espera por atendimento.

Reverter a alta taxa de cancelamento (churn rate) 

Se os clientes não estiverem satisfeitos com o produto/serviço, é no pós-venda que esse feedback aparece. Com o apoio do CRM de vendas, a equipe pode trabalhar para reverter os cancelamentos e a insatisfação.

Melhorar a integração entre os setores

Além dos vendedores e da equipe de suporte, o marketing também pode tirar muitos benefícios do CRM de vendas, melhorando a estratégia da empresa como um todo.

Facilitar o acesso às informações 

Quando uma empresa decide terceirizar o atendimento ao cliente, ter um CRM de vendas implementado facilita o compartilhamento de informações que pode ser feito de onde a nova equipe estiver, depois de autorizado o acesso.

Criar um follow up mais eficiente

É importante definir depois de quanto tempo da venda o cliente responde uma pesquisa de satisfação, por exemplo, e no CRM de vendas cada contato pode ser configurado para que os atendentes recebam lembretes no momento certo. 

Como montar uma estratégia de pós-venda com CRM?

Para conseguir obter todas as melhorias acima, é importante ter uma estratégia de pós-venda com CRM. Veja três pontos principais que devem ser bem definidos.

1. Mapeie os processos de pós-venda

A vantagem do CRM de vendas é centralizar em um sistema todos os processos, inclusive os de pós-venda, para que as ações sejam configuradas e executadas corretamente.

Para fazer isso, é essencial mapear todos os processos de pós-venda para que eles passem para o sistema na ordem em que devem ser executados. Isso será feito apenas uma vez e, depois, as atualizações acontecem direto no software.

2. Escolha uma boa opção de software

O próximo passo da estratégia de CRM de vendas é a escolha do software que vai ser implementado. É importante fazer uma pesquisa criteriosa e usar o período de teste para verificar se os recursos descritos estão mesmo disponíveis nas plataformas. 

Também é válido analisar a dificuldade de uso do CRM para que a adaptação da equipe de atendimento seja rápida. 

3. Defina indicadores para acompanhar os resultados

A maioria dos sistemas de CRM de vendas disponibiliza relatórios que podem ser personalizados de acordo com o objetivo da análise. Então, defina os indicadores de atendimento ao cliente que serão acompanhados no pós-venda como:

  • Taxa de retenção de clientes;
  • Customer Satisfaction Score (CSAT);
  • Performance dos canais;
  • Principais tópicos de atendimento;
  • Tempo Médio de Atendimento (TMA);
  • Tempo Médio de Espera (TME), entre outros.

Esses resultados vão ajudar a melhorar a qualidade dos processos de atendimento, traçar novas metas para a performance da equipe e, claro, aumentar a fidelização dos clientes.

Gostou de aprender o que é CRM de vendas e como utilizar a estratégia? Então, reúna a sua equipe e planeje a implementação de um sistema que vai elevar o desempenho do seu time. Bom trabalho!

Este artigo foi escrito por Douglas da Silva, Web Content & SEO Associate, LATAM da Zendesk. Teste o Zendesk Sell gratuitamente e descubra como esta ferramenta pode melhorar sua prospecção e atendimento ao cliente.

 Aluguel de casas em Orlando

 Aluguel de casas em Orlando

Conhecer a Disney faz parte dos sonhos de muitas pessoas, mas quando chega o momento de visitar Orlando, a terra natal do Mickey, podem surgir muitas dúvidas. Uma das dúvidas mais comuns é: alugar casas em Orlando vale a pena?

Alugar casas em Orlando é uma ótima opção para quem vai viajar com a família, grupo de amigos ou pets, pois o espaço que a casa proporcionar dará mais liberdade e conforto para que todo mundo possa curtir a viagem da melhor forma.

Além disso, a locação de casas em orlando acaba saindo mais barato do que a hospedagem em um hotel, ainda mais se dividir o valor das diárias com o grupo de pessoas que irá viajar com você.

Outro fator é que o aluguel da casa não dispõe dos mesmo serviços do hotel, como o café da manhã e o serviço de quarto, entretanto, o valor que você irá economizar pode ser utilizado para se divertir nos parques ou fazer compras nos outlets em Orlando.

Para te ajudar nessa jornada, e tornar a sua viagem para Orlando o mais confortável e prática o possível, confira as dicas de casas para alugar em orlando, e como funciona o processo de locação.  

Como realizar a locação de casas em Orlando?

A primeira vista, alugar casas em Orlando pode não parecer tão fácil quanto a locação de casas no Brasil. Porém, com muito planejamento e pesquisa, é possível encontrar um local que supra todas as necessidades das pessoas que irão para a viagem orlando

Existem diversos tipos de imóveis disponíveis para alugar em Orlando, para escolher o ideal para você e seu grupo de viagem, é preciso definir algumas questões como:

  • Vai viajar em grupo?
  • Quantas pessoas irão?
  • Qual será o tempo de estadia?
  • O quanto o conforto é importante?
  • Pretende conhecer outros lugares do país?

Ter uma resposta para cada uma dessas perguntas é fundamental para encontrar a casa ideal com a ajuda de uma imobiliária florida. Afinal, a ajuda de profissionais experientes é de grande ajuda nesse momento.

Você também pode fazer essa transação diretamente com os proprietários da casa, mas com ajuda de um consultor que te aconselhe de forma que a negociação favoreça ambos os lados do contrato de locação.

Segurança deve ser a palavra-chave no momento da transação. Por isso, é essencial se precaver e procurar pela ajuda de profissionais qualificados e tomar outros cuidados, entre eles:

  • Buscar ajuda de profissionais especializados;
  • Pedir fotos de todos os cômodos da casa com antecedência;
  • Tomar cuidados com locais com preços muito abaixo do normal;
  • Não abrir mão de fazer um contrato de locação para a sua segurança.

Se atentar com o valor de casa em orlando é muito importante, pois casas com o valor muito abaixo das outras que estão no mercado podem acabar sendo um golpe, e ter um estrutura que vai acabar prejudicando a qualidade da sua viagem.

Documentação necessária para alugar casas em Orlando

Para alugar casas em Orlando é necessário estar com a documentação em dia. Ou seja, você deve comprovar crédito nos Estados Unidos e atestar a sua legalidade no país. Para comprovar crédito, é preciso do Tax ID, do passaporte ou do Cartão de Segurança Social.

Em seguida, é preciso ter a garantia do pagamento. Diferente da locação do Brasil, que pode exigir fiadores no momento da locação, na Flórida é exigido um depósito caução que pode ser equivalente a duas ou três vezes o valor do aluguel.

Uma verificação dos antecedentes criminais também pode ser solicitada em alguns casos, o que pode exigir o pagamento de uma taxa que pode variar entre 50 a 80 dólares, então é bom inserir a taxa no seu orçamento de pacote de viagem para disney.

Geralmente, os contratos são feitos de forma rápida e podem ser acordados até uma semana após o início das negociações. Diante disso, esteja com a documentação toda correta em mãos e com o dinheiro do depósito separado para realizar o pagamento.

Média de valores para locação de imóveis

O valor para realizar a locação de um imóvel em Orlando pode variar bastante de acordo com a localização, tamanho e o tempo de estadia. O fato de ser condomínios em orlando para alugar pode influenciar no valor do aluguel.

Isso porque as casas para alugar em condomínio oferecem maior comodidade e segurança para os inquilinos, o que acaba aumentando o seu valor para locação. Por conta disso, o valor médio varia entre 125 e 230 dólares por noite. 

Levando em conta que esse valor será dividido entre o grupo de pessoas que irá viajar e se hospedar com você, o valor total fica bem acessível. Para alugar uma casa padrão junto com mais 5 pessoas, por exemplo, cada um paga em média 40 dólares por noite.

Quais são os tipos de imóveis disponíveis para locação?

São vários os tipos de imóveis disponíveis para locação em Orlando. Para escolher o melhor tipo você e o seu grupo, é preciso estabelecer os objetivos principais da sua viagem e escolher aquele que irá suprir todas as necessidades do grupo.

Se vocês buscam todos os confortos que uma viagem, como refeições prontas e ficar bem próximo dos parques para economizar tempo de trajeto, talvez a melhor opção seja procurar por hotéis dentro da disney

Mas se você pretende economizar e visitar outros pontos turísticos além dos parques da Disney, a melhor opção pode ser alugar algum outro tipo de imóveis nas redondezas e dividir as diárias com o seu grupo de viagem.

A seguir, para ajudar na sua escolha de locação, confira algumas características de cada tipo de imóvel disponível para locação em Orlando.

Condos

Os condos são apartamentos muitos semelhantes ao que encontramos aqui no Brasil. Eles costumam ter entre 2 e 3 quartos, já serem mobiliados e equipados com utensílios, e ainda possuir uma vaga de garagem.

Esse tipo de imóvel pode ser o ideal para um pequeno grupo de viagem, para que todos fiquem confortáveis e bem acomodados dentro do imóvel.

Townhouse

As townhouses são as típicas casas americanas que costumamos ver em filmes e seriados. São casas geminadas que costumam ter um preço mais acessível. Elas também já são mobiliadas e equipadas com os principais utensílios para o dia a dia.

Essa estrutura maior e mais completa já costuma ser melhor se o seu grupo de viagem conta com mais de 4 pessoas, por exemplo. 

Kitnet

As kitnets costumam ser uma excelente opção para os mais jovens ou solteiros, por serem espaços pequenos e práticos. Além disso, apesar de serem um pouco menores que os outros imóveis, as kitnets são bem equipadas, confortáveis e até mesmo elegantes.

Lofts

Os lofts possuem mais espaços do que os kitnets e também costumam ser mais requintados. Com um pé-direito padrão mais alto do que os outros tipos de imóveis, permite a construção de um mezanino usado geralmente como quarto de dormir.

Nesse tipo de imóvel não há paredes para delimitar os cômodos, somente o banheiro. Por isso, pode ser mais interessante para casais ou uma dupla de amigos.

Apartments

Os apartments também possuem uma estrutura bem parecida com os apartamentos do Brasil, porém com a arquitetura inspirada nos lofts. Hoje em dia, o conceito aberto é uma grande tendência de decoração em Orlando.

Por conta disso, é bem comum encontrar apartamentos onde a cozinha, a sala de estar e a sala de jantar são integrados em apenas um único cômodo, permitindo que haja uma interação maior entre os inquilinos.

Casas independentes

As casas independentes são típicas nos Estados Unidos, sendo espaçosas, climatizadas e podem ser encontradas dentro dos condomínios fechados, bairros abertos e regiões rurais. Normalmente, esse tipo de moradia conta com garagem, jardim e espaço para piscina.

Além disso, esse tipo de imóvel costuma ser mais afastado um dos outros, proporcionando mais privacidade para os inquilinos, em comparação aos condos ou townhouses, por exemplo. 

Esse tipo de imóvel é ideal para grupos maiores, já que oferece mais espaço, conforto e privacidade em relação aos outros imóveis mencionados.

Afinal, qual tipo de imóvel escolher?

A decisão final de qual tipo de imóvel escolher para alugar vai depender de quantas pessoas irão na viagem com você, qual o valor de orçamento disponível para hospedagem e do roteiro que pretendem seguir na viagem. 

Cada tipo de imóvel irá oferecer comodidades diferentes para os inquilinos, além de variações de preço. O mais importante é saber o que irá suprir as necessidades de todos e escolher um profissional de confiança para ajudar na locação.

Conteúdo originalmente desenvolvido pela equipe do blog Markplan, site voltado para a veiculação de conteúdos relevantes sobre estratégias de negócios, pensados para abranger informações e novidades relacionadas aos maiores segmentos empresariais.

Page 1 of 7

Desenvolvido em WordPress & Tema por Anders Norén