Assumir o preço de uma casa é, para alguns, impensável. No entanto, quase uma década após a explosão da bolha imobiliária na Espanha e com a alta dos preços dos aluguéis nos últimos anos, há quem comece a pensar em comprar uma casa.

Veja também – advogado especialista em direito imobiliário | Sua segurança está aqui

O que preciso para financiar a compra de uma casa

De onde vem a casa?

Em primeiro lugar, será necessário diferenciar de onde vem a casa, já que, se for do mesmo estoque do banco, costuma financiar 100% da sua compra. Porém, nem sempre será assim e teremos que apresentar mais requisitos que dêem confiança à instituição financeira.

Assim que o processo de negociação começar, você precisará enviar os detalhes dos candidatos. Todos os dados indicam o nível de renda, o valor líquido que é recebido por ano para os salários recebidos na família, etc. E, além disso, apresentar uma nota simples com a qual o banco verifica a situação do imóvel e sua titularidade. 

Por outro lado, o banco irá gerir um avaliador para calcular o preço do imóvel por metro avaliado. Na maioria dos casos, o banco concorda em financiar no máximo 80% do total avaliado, ou 100% do preço da casa se for inferior ao que o profissional enviado pela entidade avaliou.

Avalista o Hipotecante no deudor

Por esse motivo, é essencial ter 30% economizado pelo menos do que você acha que o banco poderia avaliá-lo. 20% para pagar o restante até atingir o total de 100% e 10-15% para impostos. 

Além disso, existem dois tipos de números que podem ajudá-lo a facilitar o financiamento. Por um lado, seria um endosso e se você não conseguisse uma pessoa que pudesse se comprometer dessa forma, contrate um credor hipotecário não devedor.

A primeira cifra concorda em assumir a hipoteca se o solicitante deixar de pagar todas as letras da hipoteca corretamente. Dessa forma, o banco teria uma garantia de conformidade financeira. No entanto, em muitas ocasiões, quando você está prestes a comprar uma casa, não recebe pessoas que podem servir de garantia.

Há alguns anos, vem se formalizando a segunda figura de que falamos antes, o credor hipotecário negativa devedor. Essa pessoa entraria em jogo caso a pessoa que deseja comprar não tenha poupança e não tenha 20% suficiente para chegar a 100% de financiamento. 

O hipotecário se comprometeria a hipotecar 20% da casa que possui. Este tipo de compromisso não é um compromisso tão difícil quanto a garantia, uma vez que você não perderia a casa inteira caso o devedor não pudesse arcar com os pagamentos.

Em todo caso, financiar 100% de uma casa hoje é quase impossível, pois, depois da crise econômica dos últimos anos, os bancos reduziram muito suas concessões de empréstimos para fazer frente ao pagamento de uma casa. Mas sim, como vimos, com ajuda profissional, você pode obter financiamento de até 80% ou, em alguns casos, 100%.

Que fatores você deve levar em consideração ao decidir comprar um imóvel com e sem financiamento?

1. Orçamento que você tem

Na hora de comprar um apartamento ou casa, devemos ter feito uma análise da nossa economia atual, saber com quanto dinheiro podemos contribuir com nossa renda atual e se temos economia para nos ajudar nas despesas.

É por isso que devemos avaliar se temos dinheiro para fazer a compra do imóvel sem hipoteca intermediária ou se vamos acessá-lo para cobrir essa despesa mês a mês, considerando neste último ponto a economia inicial necessária para podermos acessar o empréstimo hipotecário.

Uma boa ideia é usar os simuladores de empréstimo para ter uma ideia de como será o pagamento da hipoteca e por sua vez poderemos saber junto com nosso corretor de imóveis se os preços na área em que estamos interessados ​​estão caindo ou para cima. Assim podemos fazer uma oferta melhor e negociar quando chegar a hora.

2. Pague em dinheiro ou acesse um empréstimo hipotecário

Uma vez que contemplamos nossa situação econômica e decidimos pagar em dinheiro ou acessar um empréstimo, devemos conhecer a fundo quais são as vantagens de cada cenário e investigar as diferentes condições que os bancos oferecem para selecionar aquela que mais nos convém. você evita perda desnecessária de dinheiro.

O crédito hipotecário é o empréstimo mais vantajoso que obterá porque está garantido contra um ativo.

E, em geral, para acessá-lo, os bancos costumam oferecer até 80% do preço de compra. Portanto, é importante considerar que devemos fazer uma contribuição mínima de 20% do valor total do apartamento ou casa. 

Claro, com aconselhamento profissional e negociando com o banco você pode obter até 100% do valor de venda. Se você tem economia e é solvente é mais fácil conseguir, mas de qualquer forma se você quiser saber se consegue 100%, entre em contato conosco.

Você também deve verificar quais são os juros que serão aplicados e saber que quanto mais longo o prazo, maiores são os juros, mesmo que a taxa seja menor. E é para este último que destacamos a importância da poupança e que o pagamento da hipoteca não ultrapassa 30% do seu rendimento mensal.

3. Valor avaliado

Outro ponto importante a se ter em mente é o tipo de casa que você focou ao procurar o apartamento escolhido. Se está interessado numa casa completamente nova, que não tenha sido habitada, ou numa casa usada, mesmo na ausência de remodelações.

Obviamente, o preço da propriedade será atribuído em relação, entre outras coisas, ao estado da propriedade. Convidamo-lo a avaliar as diferentes moradias que temos na nossa secção de imóveis em repouso, anotar as que mais lhe interessam e ainda visitá-las, de forma a avaliá-las melhor, conhecendo preços, condições, estado atual da moradia etc.

O empréstimo está sempre atrelado ao valor de avaliação do apartamento que se pretende adquirir. Desta forma, se deseja que o orientemos sobre o referido valor de avaliação, podemos ajudá-lo. 

Por outro lado, no nosso site encontrará um sistema de avaliação online muito útil quando se trata de saber uma estimativa do preço de mercado da casa que pretendemos comprar.