Explorando o Subterrâneo de Paris com os Cataphiles

Paris, Cidade da Luz, é realmente um conto de duas cidades. Um deles está acima do solo, com sua querida Torre Eiffel e Notre Dame. Esta é a cidade que o mundo vê. E depois existe a cidade que muito poucos de nós jamais verá –  o subterrâneo de Paris, o ‘souterrain’. Jacki Lyden e o fotógrafo da National Geographic, Stephen Alvarez, uniram-se para ver o que existe lá embaixo.

Explorando o Subterrâneo de Paris com os Cataphiles

Eu trabalho com impermeabilização de mármores importados novo e resolvi parar mais uma vez no ano para viajar e contar essa história.

Abaixo da cidade, concentradas na margem sul do rio Sena, pedreiras de calcário escondidas datam de muitos séculos, fornecendo pedras para grandes monumentos de Paris, como Notre Dame. A mineração deixou para trás um labirinto – pelo menos 180 milhas de túneis abandonados, salas secretas e cavernas, buracos de minhoca ímpares grandes apenas o suficiente para se contorcer através deles e que correm diretamente abaixo de algumas das ruas mais conhecidas da cidade.

Para ser um cataphile, você precisa ter nervos de aço.

Minha primeira viagem começou em uma noite de maio no bairro de Montparnasse, em Paris – na escuridão antes da meia noite. Junto com Stephen Alvarez e o pessoal da National Geographic, deslizamos por um barranco e andamos ao longo de uma ferrovia abandonada. Caminhamos ao longo de uma milha em campo escuro para evitar a atenção da polícia, porque esta atividade é ilegal – mas acontece de qualquer maneira. Se você for pego, pode levar uma multa. Os Cataphiles, também chamados de espeleologistas urbanos e exploradores, rastejam e passeiam por túneis abaixo da superfície de Paris pela enorme rede de catacumbas e ‘catholes’ abaixo. Muitas vezes debaixo de um bueiro, e com a ajuda de uma escada, eles me mostraram um mundo incrível que poucos parisienses já tiveram a oportunidade de ver.

Stephen Alvarez, da National Geographic, mostra fotografias para mergulhadores do Corpo de Bombeiros de Paris. Eles praticam resgates subaquáticos no rio Sena e abaixo do canal Saint-Martin. Fotografia: Jacki Lyden

Nos esprememos em um buraco de minhoca de tamanho humano e de repente descemos 60 pés – e voltamos 200 anos no passado. O mundo moderno havia desaparecido. Éramos exploradores solitários, viajando em meio ao arquivo silenciosos de ossos, pedras e inúmeras antiguidades em túneis escancarados de pedreiras. Eu fiquei imaginando qual seria a sensação de ser um mineiro…

Conheça os Cataphiles: Daniel Garnier-Moiroux rasteja através de uma seção muito apertada das catacumbas de Paris. Fotografia: Stephen Alvarez/National Geographic

Explorar o subterrâneo parisiense é, naturalmente, uma lição de história francesa. Em paredes de pedra, existem grafites da época da Revolução Francesa. Mais recentemente, existem ex-abrigos nazistas – e a alguns metros deles, esconderijos para a resistência francesa e colunas gigantes para segurar edifícios acima, como o hospital militar de Val de Grace.

Conheça os cataphiles: David Babinet, um cineasta francês, frequentemente explora o subterrâneo de Paris. Fotografia: Jacki Lyden

Muitas vezes, acontecem inundações. “Coloque seus pés do mesmo jeito que eu estou fazendo”, nosso Cataphile sugeriu, ajustando seu farol. Daniel Garnier-Moiroux, de 22 anos, é um estudante sério e charmosos da Ecole de Mines, uma escola de engenharia de prestígio. Ele estava me dizendo como andar sob vários pés de água – mas minha bota deslizou para fora de qualquer maneira. Daniel desce uma ou duas vezes por semana, simplesmente pela experiência de solidão, de não ser “normal”, por vir aqui embaixo com nada além de um farol, mochila e talvez um mapa – apenas para constar. (Outros Cataphiles não usam nenhum mapa e caminham na escuridão.).

“Eu passei literalmente milhares de horas debaixo da terra”, disse Alvarez, que trazia consigo suas câmeras e apetrechos. Ele é um explorador experiente e famoso por isso. “Aqui, eu entro e eu estou imediatamente perdido. Sem alguém para me mostrar ao redor, eu vagaria por aqui até morrer.” Um exagero, com certeza, mas estranhamente apropriado nas catacumbas.

Conheça os Cataphiles: Gilles Thomas é o autor do Atlas du Paris Souterrain. Fotografia: Jacki Lyden

À medida que nos arrastamos, andamos e avançamos, Daniel fala sobre possíveis perigos, sendo o mais grave deles um fontis súbito, ou colapso. Isso é exatamente o que aconteceu em 1774 – quando uma rua chamada Rue d’Enfer desabou. (Curiosamente, o nome da rua significava “Rua do Inferno” e foi rebatizada como Denfert-Rochereau.). O rei Louis XVI, que viria a perder a cabeça na Revolução Francesa, ordenou a seu arquiteto que avaliasse os danos. Horrorizado, Charles Axel Guillaumot reportou que muito de Paris poderia entrar em colapso, já que o local havia sido construído com pedreiras frágeis que se estendiam por milhas.

“Eles criaram a Inspection Generale des Carrieres [ou pedreiras]”, explicou Daniel, uma agência que existe até hoje. Por mais de cem anos, iniciado por Guillaumot, eles levantaram os telhados dos túneis de pedreira, deixaram nos ângulos certos, consolidaram paredes.” Ele nos mostrou como os inspetores combinaram as ruas acima com as “interseções” abaixo, e como eles numeraram os muros: G para Guillaumot, por exemplo, 1779 para o ano, e 4 para o número de paredes criadas na sequência daquele ano. Cada inscrição é gravada em carbono preto e algumas estão em francês antigo. Em uma inscrição na Rue Vaugirard, vi a expressão “au couchant“, indicando o lado ocidental da rua onde o sol “vai para a cama”.

Conheça os Cataphiles: A arte é uma visão comum abaixo de Paris. Fotografia: Jacki Lyden

De repente, ouvimos cantoria, gritos e risos à distância: Nós havíamos entrado no mundo da arte cataphile. Um homem corpulento estava tocando um mural de uma grande onda que ocupava três lados de uma câmara subterrânea. Era uma reprodução do mural japonês do artista Hokusai. A piada é que esta parte das catacumbas é chamada de “La Plage“, ou praia, porque é de areia.

O muralista apresentou-se para mim como “Psyckose“, assim como muitos Cataphiles usam um “nome de caverna” para escapar da detecção acima do solo pela polícia. “As catacumbas são a cruz [estradas] do mundo”, ele me disse. “Todo mundo está vindo para cá … de Los Angeles, Londres, África do Sul….e todo mundo está totalmente nu – porque aqui é simplesmente escuro, e nada mais do que espaço morto”. Isto é ficar nu em um sentido metafórico, imaginei, e quase morto!

Conheça os Cataphiles: “Cat” tem 24 anos e gosta de explorar as cavernas. Fotografia: Jacki Lyden

Um dos melhores sons abaixo do solo foi o som festivo do espumante. E um dos pontos turísticos dos sonhos: um amigo de Daniel, Louis, iluminou o “espaço morto” com uma dança do fogo de tirar o fôlego. Nós assistimos as luzes do fogo passeando para cima e para baixo pelas paredes enquanto Alvarez saia de fininho. Assim, brindamos as catacumbas. Como nós caminhamos para fora pouco antes do amanhecer, os pássaros já estavam cantando, e a cidade estava tranquila e encantadora.

Mas nas próximas semanas, eu ainda voltaria para novas aventuras, já que o universo cataphile é tão distinto quanto cada uma das pessoas que nele habita. E talvez, eu tenha me tornado, também, um pouco Cataphile, embora ainda carregue minha lanterna, meu mapa…e meu guia.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *