O sonho de comprar a casa própria e sair do aluguel é um dos maiores sonhos de todos os brasileiros e graças ao minha casa minha vida esse sonho está se tornando cada vez mais fácil de ser realizado por todos os brasileiros de todas as classes sociais. Mas assim como é sério o fato de comprar uma casa, minha casa minha vida também é um procedimento que merece muita atenção e precisa ser feito com muito cuidado e com a ajuda de um corretor profissional para te auxiliar com toda a documentação. Mas depois dessas observações precisamos saber como funciona o minha casa, minha vida e como ele pode te ajudar a comprar a sua casa própria.

Programa Social

Para começar o assunto devemos entender que o minha casa minha vida é um programa social desenvolvido pelo governo para ajudar as pessoas a comprarem o seu primeiro imóvel, esse programa paga até por 90% do valor do imóvel e divide o restante do valor em parcelas muito pequenas, facilitando assim o pagamento para o futuro comprador.

A partir de agora vamos aprender um pouco mais sobre como funciona o minha casa, minha vida e quais os procedimentos que  o futuro comprador deve seguir para conseguir ter acesso ao financiamento e aos descontos. O primeiro procedimento que deve ser feito é fazer a análise da sua renda familiar, isso torna-se necessário pois o tipo de ajuda que o governo vai disponibilizar depende do tamanho da sua renda familiar. 

Tipos de Renda

O governo vai fornecer diferentes tipos de ajuda para diferentes tipos de classes sociais e ele faz essa divisão de acordo com a renda familiar do futuro ou dos futuros compradores. A divisão atual está dessa forma:

  • Renda de até 1800 reais: A primeira e mais básica das modalidades diz respeito às famílias que possuem renda mensal total de até 1800 reais. Nessa janela o governo paga 90% do valor total do imóvel deixando somente 10% do valor para ser pago pelo comprador do imóvel.As parcelas do imóvel não podem exceder 10% do valor do salário mínimo e o financiamento deve possuir como prazo máximo 120 meses ou 10 anos.
  • Renda de 1800 até 2600 reais: A segunda modalidade que o programa do governo oferece é uma janela que está mais disponível para famílias de classe média baixa e os incentivos são proporcionais às possibilidades financeiras da família. Nessa modalidade o governo apenas ajuda o futuro comprador a pagar a entrada no imóvel, entrada essa que tem o seu limite estabelecido em 47,5 mil reais. Esse limite foi estabelecido pois imóveis que possuem esse valor de entrada são imóveis considerados de classe média. Além disso, o comprador vai receber a oportunidade de pagar o valor do imóvel em até 30 anos ou 360 meses.
  • Renda de 2600 até 4000 reais: Nessa terceira modalidade o comprador que possui a renda familiar dentro da janela informada vai receber grande parte dos incentivos citados na janela anterior, tais como ajuda a pagar a entrada do imóvel e também vai receber a oportunidade de pagar o imóvel em 30 anos porém nessa modalidade o futuro comprador poderá escolher entre imóveis prontos e imóveis na planta. Essa oportunidade é oferecida pois as famílias que possuem esse valor de renda familiar já podem se permitir escolher imóveis que possuem um maior valor e que são avaliados como imóveis para o público da classe média alta, mesmo eles estando na fase de construção do minha casa minha vida vai ajudar essas famílias a comprar o imóvel.
  • Renda de 4000 a 7000 reais: Nessa modalidade o comprador recebe menos incentivos quando comparado às outras anteriores, haja visto a elevada renda mensal que a família declarou. Na prática essa modalidade do minha casa minha vida somente vai fornecer aos futuros compradores 2 facilidades, a primeira delas diz respeito a um subsídio que o governo vai fornecer, esse subsídio tem seu valor máximo estipulado em 29 mil reais. A segunda facilidade que essa modalidade oferece é as taxas de juros diminuída para o financiamento, essa taxa que será praticada é de no máximo 7% ao ano e no mínimo 5,5%.
  • Renda acima de 7000 reais: Para famílias que possuem uma renda familiar que excede o valor de 7000 reais o minha casa minha vida não é aceito e consequentemente a análise de crédito não é aprovada. Isso ocorre pois o governo entende que uma família que possui uma renda familiar dessa magnitude possui condições de entrar em um financiamento de imóvel normal, com taxas e prazos normais. Por exemplo, se resolver financiar uma das das casa do condomínio Aphaville.

Depois de passarmos pela fase de análise de renda familiar o comprador precisa atentar-se ao valor total do imóvel, essa necessidade acontece pois dependendo da localização do imóvel e também do tamanho da cidade o valor máximo do imóvel vai mudar. Por exemplo um imóvel que está localizado na região metropolitana de São Paulo, no Rio de Janeiro e no Distrito Federal o programa impõe uma limitação o valor do imóvel não deve exceder 225 mil reais. Seguindo na mesma explicação a limitação de valor que o programa do governo impõem para imóveis localizados na região metropolitana de Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Paraná, Minas Gerais e Espírito Santo é de 200 mil reais.

Passada a etapa de análise de valores de renda financeira e também do valor do imóvel chegamos na etapa final que é a preparação da documentação necessária para completar o cadastro do financiamento junto ao programa do governo, para essa etapa a nossa dica é que os futuros compradores consultem um corretor profissional e especializado na área em questão. Essa nossa dica está fundamentada na capacidade que o corretor local possui de saber todos os procedimentos e documentos que devem ser entregues para completar o cadastro. Sem a ajuda de um corretor o futuro comprador pode perder-se no meio de tanta papelada e tanta burocracia que precisa ser respeitada.